18h46 - quinta, 07/07/2016

Confissões de um sexagenário


Napoleão Mira
Aos 20 anos julgamo-nos imortais. Aos quarenta, descobrimos que o não somos e, aos sessenta, preparamo-nos para a grande viagem. Esta é uma das inevitáveis conclusões da vida.
Digo isto porque entrei recentemente neste último escalão e, volta não volta, dou comigo a fazer balanços existenciais. Olho para trás e revejo a longa-metragem que tem sido o filme da minha existência para que, de algum modo, ainda possa projectar o futuro do que me resta.
Vislumbro no pré-velho que sou a criança que em tempos fui ( e que continuo a ser, mas isso é segredo entre escriba e leitor!) e, rememorando essa imaginária fita, distingo no gaiato sonhador prantado à torreira do sol, o ser pertinaz e inquieto que me tem acompanhado vida fora.
Agora que atingi a idade em que as mulheres são todas bonitas e os polícias mais novos do que eu, dou comigo a pensar que a mocidade passou num ápice; foi assim como um ar que se lhe deu!
Dizem-me assim em jeito de chalaça, que vou passar a entrar nos museus sem pagar e usufruir de descontos nos transportes públicos. Que não tarda nada vou ter todo o tempo do mundo para finalmente desfrutar da vida.
Digam o que disserem, entrar no ocaso da vida é uma chatice e pêras.
Aos poucos vão-se os sentidos esmorecendo. A visão começa a ser apenas periférica, a audição falha a cada instante, a mobilidade é cada vez menor e até a virilidade vai definhando.
O único dos sentidos que melhora com o passar dos tempos é o palato. Tal faz com que tenhamos mais apetite, logo, comemos mais, logo, mais furos no cinto, só que desta vez na direcção oposta àquela onde os estamos habituados a fazer.
E, como se não bastasse, a sacana da próstata agiganta-se ocupando o lugar da bexiga obrigando-nos a urinar de hora a hora.
Depois, quando nos querem adjectivar, chamam-nos "charmosos" que, para quem não sabe, é um insulto delicodoce inventado pelas mulheres. Assim uma espécie de código que usam entre elas, para nos dizerem com aquele sorriso sacana escarrapachado na cara: - Ó filho vai-te catar. Estás tão fora de prazo que já cheiras a naftalina!



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 20/04/2018
"Fixação de pessoas é o maior desafio de Almodôvar"
O presidente da Câmara de Almodôvar, falou ao "CA" sobre os desafios que se colocam ao concelho, assim como sobre as inúmeras obras que a autarquia tem em desenvolvimento ou pretende concretizar.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila Galé investe
no concelho de Beja
Tal como o "CA" revelou em Dezembro de 2017, o Grupo Vila Galé prepara-se para refortçar o seu investimento no concelho de Beja, onde já tem o Clube de Campo, perto de Albernoa.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena de artes
em Castro Verde
Da música acústica ao rock mais "eléctrico", do cante alentejano às palavras de Abril, dos livros aos produtos da terra, do teatro para bebés aos espectáculos de revista, são muitos os pontos de interesse de mais uma edição da "Primavera no Campo Branco", quinzena cultural que a Câmara de Castro Verde promove entre esta sexta-feira, 20 de Abril, e o dia da Mãe, a 6 de Maio.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Quinzena cultural reduziu orçamento
Depois de nos últimos quatros anos ter tido uma duração mais prolongada no tempo, a "Primavera no Campo Branco" regressa em 2018 ao formato de quinzena.
07h00 - sexta, 20/04/2018
Vila de Almodôvar
"volta" à Idade Média
Almodôvar "viaja" neste fim-de-semana até 1285, ano em que Dom Dinis concedeu a Carta de Foral à localidade, com o centro histórico da vila a receber bailes e folias, bobos e jograis, damas e cavaleiros, numa organização da Câmara Municipal local.

Data: 20/04/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial