18h46 - quinta, 07/07/2016

Confissões de um sexagenário


Napoleão Mira
Aos 20 anos julgamo-nos imortais. Aos quarenta, descobrimos que o não somos e, aos sessenta, preparamo-nos para a grande viagem. Esta é uma das inevitáveis conclusões da vida.
Digo isto porque entrei recentemente neste último escalão e, volta não volta, dou comigo a fazer balanços existenciais. Olho para trás e revejo a longa-metragem que tem sido o filme da minha existência para que, de algum modo, ainda possa projectar o futuro do que me resta.
Vislumbro no pré-velho que sou a criança que em tempos fui ( e que continuo a ser, mas isso é segredo entre escriba e leitor!) e, rememorando essa imaginária fita, distingo no gaiato sonhador prantado à torreira do sol, o ser pertinaz e inquieto que me tem acompanhado vida fora.
Agora que atingi a idade em que as mulheres são todas bonitas e os polícias mais novos do que eu, dou comigo a pensar que a mocidade passou num ápice; foi assim como um ar que se lhe deu!
Dizem-me assim em jeito de chalaça, que vou passar a entrar nos museus sem pagar e usufruir de descontos nos transportes públicos. Que não tarda nada vou ter todo o tempo do mundo para finalmente desfrutar da vida.
Digam o que disserem, entrar no ocaso da vida é uma chatice e pêras.
Aos poucos vão-se os sentidos esmorecendo. A visão começa a ser apenas periférica, a audição falha a cada instante, a mobilidade é cada vez menor e até a virilidade vai definhando.
O único dos sentidos que melhora com o passar dos tempos é o palato. Tal faz com que tenhamos mais apetite, logo, comemos mais, logo, mais furos no cinto, só que desta vez na direcção oposta àquela onde os estamos habituados a fazer.
E, como se não bastasse, a sacana da próstata agiganta-se ocupando o lugar da bexiga obrigando-nos a urinar de hora a hora.
Depois, quando nos querem adjectivar, chamam-nos "charmosos" que, para quem não sabe, é um insulto delicodoce inventado pelas mulheres. Assim uma espécie de código que usam entre elas, para nos dizerem com aquele sorriso sacana escarrapachado na cara: - Ó filho vai-te catar. Estás tão fora de prazo que já cheiras a naftalina!



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - domingo, 24/06/2018
Festival B chega
ao fim em Beja
Termina neste domingo, 24 de Junho, em Beja, a primeira edição do Festival B, uma iniciativa da Câmara de Beja que concilia o cante alentejano com o fado e os petiscos tradicionais.
00h00 - domingo, 24/06/2018
Exposição de pintura
na Biblioteca de Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel tem patente até ao próximo dia 14 de Julho a exposição de pintura em acrílico "Alegrar a vida", da autoria de Isabel Lobinho.
00h00 - domingo, 24/06/2018
PCP defende mais
investimento na ferrovia
A Direcção da Organização Regional de Beja (DORBE) do PCP veio a público exigir investimentos na rede ferroviária da região e uma política de mobilidade que "assegure desenvolvimento" do distrito.
00h00 - sábado, 23/06/2018
Fado, morna e cante
na cidade de Beja
O fado, a morna cabo-verdiana e o cante alentejano vão ser a "banda sonora" de Beja neste sábado, 23, segundo dia da primeira edição do Festival B, promovido pela autarquia local.
00h00 - sábado, 23/06/2018
Festival aquático nas
piscinas de Aljustrel
Com o Verão a começar, as piscinas municipais recebem neste sábado, 23 de Junho, um festival aquático com muita música, jogos aquáticos e actividades infantis.

Data: 15/06/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial