12h10 - quinta, 12/05/2016

A família na missão da Igreja Católica


D. António Vitalino Dantas
No Alentejo muitos membros da família não têm contacto regular com as comunidades cristãs. Nas nossas assembleias dominicais predominam as crianças e as mulheres, sobretudo idosas. Faltam muitos membros da família nesse encontro dominical. Por isso temos de encontrar tempo e meios para nos encontrarmos com esses membros, importantes no agregado familiar e na educação dos mais novos. Aqui se aplica a expressão do Papa Francisco de que temos de ser uma Igreja em saída, uma Igreja que vai ao encontro das pessoas, dos idosos, dos doentes, dos pais sem tempo e sem ritmo dominical. Como? Precisamos de ser criativos.
Recentemente, participando num evento social, tomei um pouco mais de tempo para falar com alguns participantes, sobretudo homens, que normalmente não se encontram com padres e muito menos com bispos. Pois ouvi testemunhos de vida que me comoveram e que normalmente não se escutam nem veem nas nossas assembleias dominicais.
Afinal há muitas atitudes de fé naqueles com quem normalmente não nos encontramos. Como fomentar estes encontros e ajudar as pessoas e as famílias no seu desenvolvimento e apoiá-las nas suas potencialidades educativas e sociais?
Temos muitas oportunidades desperdiçadas. Queremos sempre falar e fazer discursos moralistas sem escutar as pessoas, com os seus problemas profundos e sabedoria natural. Reuniões de pais, preparação de baptismos, preparação de casamentos, de primeiras comunhões, de crismas, de ajuda social, etc. Mais que ensinar, precisamos de escutar, perguntar, ouvir as suas respostas e ajudá-los a escutar a Palavra de Deus mais que a nossa. Um gesto, um testemunho vale mais que mil palavras, diz-se.
Também na família e na escola precisamos de escutar os mais novos e ajudar-nos mutuamente a encontrar as respostas. Esta é a pedagogia de Jesus, como ouvimos no evangelho do jovem que foi perguntar-lhe o que é preciso para alcançar a vida eterna (Mc 10, 17 ss).
Acompanhar, escutar, perguntar, ouvir e descobrir os caminhos da vida, na entreajuda fraterna, familiar e eclesial são sabedoria e património fundamental para aprofundarmos as nossas raízes e relações e ajudarmos quem está em crise pessoal ou comunitária.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sábado, 23/02/2019
Junta de Mértola
presta homenagem aos
pescadores do Guadiana
Salvaguardar "no tempo e memória" a importância da pesca tradicional no rio Guadiana é o grande objectivo da homenagem que a Junta de Freguesia de Mértola vai fazer aos pescadores locais neste sábado, 23.
07h00 - sábado, 23/02/2019
Câmara de Odemira
anuncia vencedores
de concurso de BD
A Câmara de Odemira e a associação "Sopa dos Artistas" revelam neste sábado, 23 de Fevereiro, os vencedores do Concurso Nacional de Banda Desenhada (BD), promovido no âmbito da 13ª edição da BDTECA-Mostra de Banda Desenhada de Odemira.
07h00 - sábado, 23/02/2019
Marco Rodrigues
ao vivo em Aljustrel
neste sábado, 23
O fadista Marco Rodrigues actua neste sábado, 23 de Fevereiro, na vila de Aljustrel, subindo ao palco do Cine Oriental a partir das 21h30.
07h00 - sexta, 22/02/2019
Somincor com lucro de 75,3 milhões em 2018
A Somincor-Sociedade Mineira de Neves-Corvo terminou 2018 com vendas na ordem dos 357 milhões de euros e um lucro bruto de 75,3 milhões de euros, naquele que foi o melhor resultado da empresa nos últimos quatro anos.
07h00 - sexta, 22/02/2019
"PSD tem que sair
da Praça da República"
O empresário Gonçalo Valente, 38 anos, é o novo presidente da Distrital de Beja do PSD e em entrevista ao "CA" revela as prioridades dos sociais-democratas da região para os próximos dois anos.

Data: 22/02/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial