12h32 - quinta, 21/01/2016

281


Napoleão Mira
Não! Não é nenhum indicativo telefónico, nem nenhuma terminação de lotaria, nem mesmo uma secreta combinação numérica que permita abrir um cofre. É tão só, um número que não me sai da cabeça e que me deixa a remoer sobre os contornos humanos e sociais que conduziram a tão fatídico resultado.
Grudo de novo o ouvido na telefonia, não fora eu ter ouvido mal o resultado do somatório que a locutora comunicava com voz grave e pausada; como se nos anunciasse a morte de um familiar.
Daí a pouco, a voz feminina que dirigia o programa volta a mencionar o número duzentos e oitenta e uma. Sim! No feminino.
Sim! São duzentas e oitenta e uma, as aldeias portuguesas que nas últimas décadas perderam a totalidade dos seus habitantes.
Sim! Zero habitantes. Apenas silêncio. O ensurdecedor silêncio dos que partiram mais o de quem nada fez para parar esta assustadora debandada.
Ao que parece, algumas delas estão a ser recuperadas para a prática do turismo. Do mal o menos. Pode ser que a moda pegue e, de repente, esses lugarejos perdidos voltem a ter corações a bater pelo empedrado das suas ruas.
Ao ouvir este programa, dei comigo a pensar na minha terra, Entradas.
No ano em que nasci, 1956, éramos cerca de duas mil almas. Sessenta anos passados, pouco mais de quinhentos seremos. E deste quinhão, 70% terão mais de 65 anos. As crianças nascem a conta gotas, numa proporção que equaciono de um nascimento para vinte óbitos.
Nunca pensei poder assistir a tão decrépito espetáculo. Mas, fazendo uma rápida conta, somando esperanças de vida com desesperanças de futuro, chego à conclusão que em vinte anos estaremos reduzidos à condição de monte.
Tudo isto numa terra que já foi sede de concelho e tem todas as condições para oferecer a quem aqui quiser viver uma qualidade de vida que reputo da melhor que há.
O que estaremos nós a fazer de errado?



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 20/11/2017
Autarca de Beja eleito para a direcção da AMPV
O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, foi eleito no final da passada semana vogal do conselho directivo da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), estrutura que conta com cerca de 80 municípios associados.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Trabalhos de crianças
para ver em Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 20 de Novembro, a exposição "Manta de Retalhos e Desenhos", que junta trabalhos de diversas crianças do concelho.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Água: AgdA e cinco autarquias
premiadas com Selo de Qualidade
A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e cinco câmaras municipais do distrito de Beja foram galardoadas na XII Expo-Conferência da Água com o Selo de Qualidade exemplar de água para consumo humano.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Semana gastronómica
do medronho em Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho e pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.
17h38 - domingo, 19/11/2017
Almodôvar e Mineiro
na frente do "Distritalão"
A formação do Almodôvar juntou-se ao Mineiro Aljustrelense na liderança do campeonato distrital da 1ª divisão, cumprida que está a 9ª jornada, realizada na tarde deste domingo, 19 de Novembro.

Data: 10/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial