11h44 - quinta, 21/01/2016

Como educar para um humanismo cristão?


D. António Vitalino Dantas
Deus, no conhecimento da mensagem e pessoa de Jesus Cristo, na oração, na prática dos mandamentos e das obras de misericórdia, ajuda a fazer como escrevi atrás. A educação, mesmo em famílias e escolas católicas, nunca pode ser proselitista ou neopositivista, mas educar para os valores, aberta à transcendência, à relação com os outros e com a natureza, procurando o seu bem.
A educação para a fé e a sua explicitação religiosa, na escuta da Palavra de crescer a pessoa na verdade do seu ser e a desenvolver a sociedade nas suas múltiplas relações, construindo a paz na verdade, na justiça, na igualdade, na fraternidade.
Campos de refugiados, situação prolongada de desemprego, sobretudo de jovens, a fome, condições sub-humanas de vida, não são ambiente propício para a construção da paz mundial. Por isso não podemos pactuar com estas situações ou praticar apenas as obras de misericórdia corporais. É preciso despertar as pessoas para a sua dignidade, que se realiza nas múltiplas relações e no sentido de pertença a uma única humanidade, a família humana, para cujo desenvolvimento todos devemos contribuir. É caminhando que se faz caminho, como se ouve repetir. A educação não pode ser apenas para o conhecimento, mas para o coração, os afetos, os sentimentos e a ação.
Resta-nos um longo caminho a percorrer. Mas com lamentos, de braços caídos, não avançaremos. Os governos devem estar abertos e apoiar as experiências educativas que vão nesse sentido, em vez de querer prescrever um único tipo de escola, que muda conforme as mudanças dos partidos no governo. Basta de experimentalismos e deixemos que a sociedade civil com a família avance e possa transmitir os valores em que acredita.
A Igreja termina o seu ano litúrgico com a solenidade de Cristo Rei, que afirma a sua soberania, não pelo poder das armas, pelo medo, pela ditadura da opressão, mas pela verdade do amor, pelo perdão, pelo dom da vida na cruz. O seu poder não é deste mundo, mas é oferecido a todos os que viveram, vivem e hão de viver neste mundo. Só Ele nos pode salvar desta geração perversa, mas carente de amor. E quem é da verdade ou a busca de todo o coração reconhecerá n'Ele a fonte que sacia a sua sede e mata a sua fome, pois Ele é caminho, verdade e vida.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 20/11/2017
Autarca de Beja eleito para a direcção da AMPV
O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, foi eleito no final da passada semana vogal do conselho directivo da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), estrutura que conta com cerca de 80 municípios associados.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Trabalhos de crianças
para ver em Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 20 de Novembro, a exposição "Manta de Retalhos e Desenhos", que junta trabalhos de diversas crianças do concelho.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Água: AgdA e cinco autarquias
premiadas com Selo de Qualidade
A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e cinco câmaras municipais do distrito de Beja foram galardoadas na XII Expo-Conferência da Água com o Selo de Qualidade exemplar de água para consumo humano.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Semana gastronómica
do medronho em Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho e pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.
17h38 - domingo, 19/11/2017
Almodôvar e Mineiro
na frente do "Distritalão"
A formação do Almodôvar juntou-se ao Mineiro Aljustrelense na liderança do campeonato distrital da 1ª divisão, cumprida que está a 9ª jornada, realizada na tarde deste domingo, 19 de Novembro.

Data: 10/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial