11h37 - sexta, 08/01/2016

Terrorismo e Educação


D. António Vitalino Dantas
Na última nota escrevia o seguinte: "A educação na família, na escola, nas comunidades religiosas deve ajudar a construir a paz. Bem-aventurados os que sofrem por causa da paz, proclamou Jesus". Sem avaliar todo o alcance desta afirmação, nesta semana, no torvelinho dos acontecimentos, recebi muitos incentivos para a explicitar melhor e aplicar aos ambientes que nos envolvem.
Em primeiro lugar, ao ler as propostas do Sínodo sobre a família, percebi que há uma situação global, que dificulta a tarefa educativa. Na miragem ideológica dum mundo envolvido na terceira guerra mundial em fragmentos, como se expressa o Papa Francisco, afirma-se o individualismo e o direito aos bens de consumo e esquece-se a educação primordial para a relação e a pertença, a começar pela família. Por isso os outros, a própria natureza, são vistos como concorrentes e obstáculos a eliminar, como o inferno, como se expressava Sartre, e não como fazendo parte de nós, do nosso bem-estar e aos quais somos devedores. Como diz S. Paulo (Rm 13, 8): Não fiqueis a dever nada a ninguém, a não ser o amor.
Em segundo lugar, foi o Congresso Mundial promovido em Roma pela Congregação para a Educação Católica. No encontro com o Papa, em Novembro, uma responsável educativa perguntava como podem os educadores ser construtores da paz. Na sua resposta espontânea o Papa afirmava que é preciso ir às periferias, ao mundo dos pobres e não apenas fazer obras de beneficência para eles, dar-lhes de comer e ensiná-los a ler, mas a caminhar juntos com a sua experiência de pessoas feridas na sua humanidade. Não basta educar dentro de muros, cultivar uma cultura seletiva, de segurança, da inteligência formal, mas arriscar no cumprimento das catorze obras de misericórdia.
Em contraste com estes pensamentos estavam as notícias veiculadas pelos meios de comunicação social: a caça aos terroristas, os ataques aos focos de terrorismo, o controle dos refugiados, a construção de defesas, o estado de emergência. Será este o caminho da construção da paz, não apenas em algumas partes do mundo, mas para todos e com todos?
A educação para os valores humanos, implica também a abertura à transcendência, expressa de muitas maneiras, também a religiosa, mas nunca proselitismo ou fundamentalismo religioso, como dizia o Papa no diálogo atrás referido. Um sistema educativo fechado, neo-positivista, sem abertura à transcendência, que não toca o coração, os comportamentos e as relações fundamentais da pessoa, fecha o homem em si mesmo e não pode educar para o verdadeiro humanismo, por mais génios que produza, mas, infelizmente, também monstros.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 27/05/2017
PS apresenta candidatos
no concelho de Moura
O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, vai estar na apresentação dos candidatos do PS aos órgãos autárquicos do concelho de Moura, agendada para este sábado, 27.
00h00 - sábado, 27/05/2017
Aljustrel recebe encontro
de universidades seniores
Cerca de 1200 pessoas de todo o país participam este sábado, 27 de Maio, no XVI Encontro Nacional de Universidades Seniores, que em 2017 se realiza na vila de Aljustrel.
00h00 - sábado, 27/05/2017
Mercado da Terra
na vila de Aljustrel
Os produtos locais do concelho vão estar em destaque no "Mercado cá da terra", iniciativa que se realiza este sábado, 27, no Jardim 25 de Abril, na vila de Aljustrel.
00h00 - sábado, 27/05/2017
"Terras Sem Sombra"
em Ferreira do Alentejo
Ferreira do Alentejo recebe este fim-de-semana, 27 e 28 de Maio, mais uma "etapa" do festival de música sacra "Terras Sem Sombra 2017", promovido pela Diocese de Beja.
15h00 - sexta, 26/05/2017
Feira dos Sabores
em Santana da Serra
A aldeia de Santana da Serra, no concelho de Ourique, recebe a partir desta sexta-feira, 26, a 13ª edição da Feira dos Saberes e Sabores, que vai decorrer no Pavilhão Multiusos.

Data: 26/05/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial