15h23 - quinta, 19/11/2015

A fórmula do ódio


Napoleão Mira
Tinha em mente escrever uma crónica de outro teor. Mas, ao tentar alinhavar os pensamentos de modo a que me escorressem pelas pontas dos dedos e se traduzissem em palavras à medida que os teclava, estes, voavam-se-me para as ruas de Paris e para a chacina aí levada a cabo no passado fim-de-semana.
Dou comigo a pensar que a pretérita sexta-feira/treze, mais do que um profético dia de azar, foi o dia em que a liberdade dos parisienses, dos franceses e dos europeus, se viu violentada. Se viu cerceada.
A partir de agora, tudo será diferente!
A partir de agora, passaremos a olhar o nosso semelhante, não como um possível protector, mas sim como uma potencial ameaça à nossa integridade. Passaremos a viver no império do medo. E isso faz toda a diferença!
Bem que gostaria de fazer um exercício mental que me conduzisse a uma explicação plausível, lógica, que me permitisse entender as motivações que levaram aqueles jovens a terminar com as suas próprias vidas, levando consigo naquele acto hediondo, as vidas e os sonhos de largas dezenas de inocentes cidadãos.
Da amálgama de pensamentos retorcidos que me invade, apenas consigo visualizar com nitidez a palavra ÓDIO, como forma de justificar o injustificável.
Ódio puro e duro. Alimentado à custa de décadas de segregação, duma política irracional e exclusiva que empurra para os subúrbios das grandes cidades, como quem varre para debaixo do tapete, uma franja da sociedade sem rumo nem futuro, enquanto os políticos vão assobiando para o lado.
Aí, nesse terreno pantanoso mas fértil, encontram nas apetecíveis e certeiras palavras de certos mercadores de sonhos, o combustível necessário para alimentar o crescente ódio que germina dentro de si.
Embrulhados no verbo do alcorão, campânula onde se acoita esta personalidade colectiva que os acolhe, são-lhes incutidos títulos de heroicidade e recompensas celestiais que os doutrinados aceitam como prémio à sua devoção.
Daí a meterem-lhes um cinto de explosivos à cintura e uma Kalashnikov nas mãos vai apenas um pequeno passo.
Deste caldo de insatisfação. Desta mistela incontrolável e explosiva. Desta ausência de valores racionais, emerge um rancor desmedido cuja única saída resulta na barbárie a que assistimos.
De relembrar que as ordens para esta chacina podem ter vindo da Síria, mas os executantes vagueiam entre nós.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 27/06/2017
Três títulos de ciclismo
para a equipa da Casa
do Benfica de Almodôvar
A equipa de ciclismo Master da Casa do Benfica em Almodôvar garantiu no passado fim-de-semana, 24 e 25 de Junho, três títulos de campeão nacional e viu ainda dois atletas sagrarem-se vice-campeões nacionais.
07h00 - terça, 27/06/2017
Recuperação ambiental
na Mina de S. Domingos
Já estão a decorrer os trabalhos da primeira fase do projecto de recuperação ambiental da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, investimento avaliado em de 3,8 milhões de euros que deverá estar concluído em Agosto do próximo ano.
07h00 - terça, 27/06/2017
Autárquicas: Bloco
apresenta candidatos
em Beja e Serpa
O Bloco de Esquerda (BE) apresenta esta terça-feira, 27 de Junho, os seus candidatos nos concelhos de Beja e de Serpa nas eleições Autárquicas do próximo dia 1 de Outubro.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Patinador de Aljustrel
vice-campeão nacional
O patinador Hugo Henriques tem apenas 17 anos, mas já alcançou um dos seus sonhos de menino: subir ao pódio numa prova nacional de patinagem artística.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Museu de Beja
vai ser requalificado
A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) vai avançar com a requalificação do edifício do Convento de Nossa Senhora da Conceição, onde está instalado o Museu Regional de Beja.

Data: 23/06/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial