15h23 - quinta, 19/11/2015

A fórmula do ódio


Napoleão Mira
Tinha em mente escrever uma crónica de outro teor. Mas, ao tentar alinhavar os pensamentos de modo a que me escorressem pelas pontas dos dedos e se traduzissem em palavras à medida que os teclava, estes, voavam-se-me para as ruas de Paris e para a chacina aí levada a cabo no passado fim-de-semana.
Dou comigo a pensar que a pretérita sexta-feira/treze, mais do que um profético dia de azar, foi o dia em que a liberdade dos parisienses, dos franceses e dos europeus, se viu violentada. Se viu cerceada.
A partir de agora, tudo será diferente!
A partir de agora, passaremos a olhar o nosso semelhante, não como um possível protector, mas sim como uma potencial ameaça à nossa integridade. Passaremos a viver no império do medo. E isso faz toda a diferença!
Bem que gostaria de fazer um exercício mental que me conduzisse a uma explicação plausível, lógica, que me permitisse entender as motivações que levaram aqueles jovens a terminar com as suas próprias vidas, levando consigo naquele acto hediondo, as vidas e os sonhos de largas dezenas de inocentes cidadãos.
Da amálgama de pensamentos retorcidos que me invade, apenas consigo visualizar com nitidez a palavra ÓDIO, como forma de justificar o injustificável.
Ódio puro e duro. Alimentado à custa de décadas de segregação, duma política irracional e exclusiva que empurra para os subúrbios das grandes cidades, como quem varre para debaixo do tapete, uma franja da sociedade sem rumo nem futuro, enquanto os políticos vão assobiando para o lado.
Aí, nesse terreno pantanoso mas fértil, encontram nas apetecíveis e certeiras palavras de certos mercadores de sonhos, o combustível necessário para alimentar o crescente ódio que germina dentro de si.
Embrulhados no verbo do alcorão, campânula onde se acoita esta personalidade colectiva que os acolhe, são-lhes incutidos títulos de heroicidade e recompensas celestiais que os doutrinados aceitam como prémio à sua devoção.
Daí a meterem-lhes um cinto de explosivos à cintura e uma Kalashnikov nas mãos vai apenas um pequeno passo.
Deste caldo de insatisfação. Desta mistela incontrolável e explosiva. Desta ausência de valores racionais, emerge um rancor desmedido cuja única saída resulta na barbárie a que assistimos.
De relembrar que as ordens para esta chacina podem ter vindo da Síria, mas os executantes vagueiam entre nós.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
09h00 - segunda, 11/12/2017
Bruno Lima campeão
nacional de jiujitsu
O jovem Bruno Lima, atleta da Associação de Jiujitsu Brasileiro de Castro Verde, sagrou-se neste sábado, 9 de Dezembro, campeão nacional da modalidade na categoria Infanto-Juvenil/ Faixa Verde.
07h00 - segunda, 11/12/2017
Exposição em Aljustrel
lembra revista "Presença"
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 11, a exposição "O que foi a presença: uma leitura a 90 anos de distância", criada pelo Centro de Estudos Regianos e dedicada à revista "Presença".
00h00 - segunda, 11/12/2017
Câmara de Castro Verde prepara orçamento de 2018
O Orçamento e Grandes Opções do Plano (GOP) para o próximo ano de 2018 da Câmara Municipal de Castro Verde, o primeiro elaborado pelo novo executivo liderado pelo socialista António José Brito, vai ser apresentado, discutido e votado em sede de Câmara e Assembleia Municipal até ao Natal.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Centro de Paralisia de
Beja lança calendário
O Centro de Paralisia Cerebral de Beja (CPCB) apresenta nesta segunda-feira, 11 de Dezembro, o seu calendário solidário "Abraça o meu Sonho", que visa a angariação de fundos para a instituição.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Ferreira do Alentejo
diminui taxa de IMI
A Câmara de Ferreira do Alentejo aprovou a diminuição do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) dos prédios urbanos no concelho, que em 2018 passará para a taxa de 0,375%.

Data: 07/12/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial