11h08 - quinta, 06/08/2015

Festas populares
em tempo de férias


D. António Vitalino Dantas
Em muitas terras com emigrantes o tempo de férias traz vida e movimento aos dias adormecidos ao longo do ano, sobretudo nas aldeias do interior, desertificadas e envelhecidas. As comissões de festas procuram associar o convívio e as devoções tradicionais da terra, mesmo que tenham de trasladar para essa altura a comemoração dos padroeiros, misturando o profano e o religioso, pelo menos nos seus cartazes publicitários, numa simbiose em que, por vezes, os actos de culto apenas aparecem no título da festa e na imagem da santinha, como se diz no Alentejo.
Nem sempre as comissões se constituem com o conhecimento da paróquia, nem os programas se combinam de acordo com os responsáveis da comunidade eclesial. Por isso não podemos chamar a isso de festas religiosas, mas simplesmente de festas populares, em que as paróquias realizam alguns atos de culto, que fazem parte dos acontecimentos festivos, mas não são a festa.
Escrevo isto porque, por vezes, se exagera no programa das festas, nos gastos avultados, sobretudo em arruados, artistas convidados e fogo de artifício. O culto dos exibicionismos, das disputas entre comissões e das vaidades, que muitas vezes acaba em zangas e arruaças, não é muito próprio de uma festa popular nem muito menos religiosa. As festas devem promover o convívio, a alegria entre a população, residentes e visitantes e, se religiosas, também a devoção e o fortalecimento da fé das pessoas.
Também não posso deixar de advertir as comissões de festas ligadas à igreja, aos conselhos económicos paroquiais e às irmandades para terem cuidado com a legalidade fiscal, não favorecendo a fuga aos impostos sobretudo no pagamento aos artistas. E se os lucros económicos da festa não se destinarem ao culto ou a outras finalidades da acção da igreja, também devem submeter-se às normas contributivas em vigor.
Festas sim, mas para promover, na simplicidade, o convívio, a alegria e a devoção, no respeito pelas leis em vigor. Assim vale a pena festejar e cansar-se, pois nada poderá pagar o lucro social e religioso daí resultante. Boas férias e boas festas são os meus votos.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 26/04/2017
Ciência e bailes
em São Teotónio
A TAIPA, de Odemira, a associação PéDeXumbo, de Évora, e o Centro de Ciência Viva de Estremoz estão a promover em São Teotónio o projecto educativo "A Ciência de um Baile de Mastro".
07h00 - quarta, 26/04/2017
Bispo de Beja extinguiu
Departamento do Património
O bispo de Beja decidiu extinguir o Departamento do Património Histórico e Artístico (DPHA), num momento em que a Diocese está a "reajustar as estruturas" face a "novos condicionalismos".
07h00 - quarta, 26/04/2017
CM Almodôvar apoia
alunos universitários
A Câmara de Almodôvar voltou a atribuir bolsas de estudo aos estudantes do concelho que frequentam o ensino superior no ano lectivo 2016-2017, num apoio total de cerca de 30 mil euros.
07h00 - terça, 25/04/2017
PCP quer circulação reposta na ponte que liga Pomarão a Espanha
O grupo parlamentar do PCP vai apresentar na Assembleia da República um projecto de resolução que recomenda ao Governo a reposição urgente da circulação rodoviária entre o Pomarão (Mértola) e a localidade espanhola de El Granado.
07h00 - terça, 25/04/2017
Marcelo, Costa, Capoulas
e Moedas vão à Ovibeja
Faltam apenas dois dias para o arranque da 34ª edição da Ovibeja e já estão confirmadas as visitas de Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Capoulas Santos àquela que é a "grande feira do Sul".

Data: 14/04/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial