11h08 - quinta, 06/08/2015

Festas populares
em tempo de férias


D. António Vitalino Dantas
Em muitas terras com emigrantes o tempo de férias traz vida e movimento aos dias adormecidos ao longo do ano, sobretudo nas aldeias do interior, desertificadas e envelhecidas. As comissões de festas procuram associar o convívio e as devoções tradicionais da terra, mesmo que tenham de trasladar para essa altura a comemoração dos padroeiros, misturando o profano e o religioso, pelo menos nos seus cartazes publicitários, numa simbiose em que, por vezes, os actos de culto apenas aparecem no título da festa e na imagem da santinha, como se diz no Alentejo.
Nem sempre as comissões se constituem com o conhecimento da paróquia, nem os programas se combinam de acordo com os responsáveis da comunidade eclesial. Por isso não podemos chamar a isso de festas religiosas, mas simplesmente de festas populares, em que as paróquias realizam alguns atos de culto, que fazem parte dos acontecimentos festivos, mas não são a festa.
Escrevo isto porque, por vezes, se exagera no programa das festas, nos gastos avultados, sobretudo em arruados, artistas convidados e fogo de artifício. O culto dos exibicionismos, das disputas entre comissões e das vaidades, que muitas vezes acaba em zangas e arruaças, não é muito próprio de uma festa popular nem muito menos religiosa. As festas devem promover o convívio, a alegria entre a população, residentes e visitantes e, se religiosas, também a devoção e o fortalecimento da fé das pessoas.
Também não posso deixar de advertir as comissões de festas ligadas à igreja, aos conselhos económicos paroquiais e às irmandades para terem cuidado com a legalidade fiscal, não favorecendo a fuga aos impostos sobretudo no pagamento aos artistas. E se os lucros económicos da festa não se destinarem ao culto ou a outras finalidades da acção da igreja, também devem submeter-se às normas contributivas em vigor.
Festas sim, mas para promover, na simplicidade, o convívio, a alegria e a devoção, no respeito pelas leis em vigor. Assim vale a pena festejar e cansar-se, pois nada poderá pagar o lucro social e religioso daí resultante. Boas férias e boas festas são os meus votos.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 27/06/2017
Três títulos de ciclismo
para a equipa da Casa
do Benfica de Almodôvar
A equipa de ciclismo Master da Casa do Benfica em Almodôvar garantiu no passado fim-de-semana, 24 e 25 de Junho, três títulos de campeão nacional e viu ainda dois atletas sagrarem-se vice-campeões nacionais.
07h00 - terça, 27/06/2017
Recuperação ambiental
na Mina de S. Domingos
Já estão a decorrer os trabalhos da primeira fase do projecto de recuperação ambiental da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, investimento avaliado em de 3,8 milhões de euros que deverá estar concluído em Agosto do próximo ano.
07h00 - terça, 27/06/2017
Autárquicas: Bloco
apresenta candidatos
em Beja e Serpa
O Bloco de Esquerda (BE) apresenta esta terça-feira, 27 de Junho, os seus candidatos nos concelhos de Beja e de Serpa nas eleições Autárquicas do próximo dia 1 de Outubro.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Patinador de Aljustrel
vice-campeão nacional
O patinador Hugo Henriques tem apenas 17 anos, mas já alcançou um dos seus sonhos de menino: subir ao pódio numa prova nacional de patinagem artística.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Museu de Beja
vai ser requalificado
A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) vai avançar com a requalificação do edifício do Convento de Nossa Senhora da Conceição, onde está instalado o Museu Regional de Beja.

Data: 23/06/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial