11h08 - quinta, 06/08/2015

Festas populares
em tempo de férias


D. António Vitalino Dantas
Em muitas terras com emigrantes o tempo de férias traz vida e movimento aos dias adormecidos ao longo do ano, sobretudo nas aldeias do interior, desertificadas e envelhecidas. As comissões de festas procuram associar o convívio e as devoções tradicionais da terra, mesmo que tenham de trasladar para essa altura a comemoração dos padroeiros, misturando o profano e o religioso, pelo menos nos seus cartazes publicitários, numa simbiose em que, por vezes, os actos de culto apenas aparecem no título da festa e na imagem da santinha, como se diz no Alentejo.
Nem sempre as comissões se constituem com o conhecimento da paróquia, nem os programas se combinam de acordo com os responsáveis da comunidade eclesial. Por isso não podemos chamar a isso de festas religiosas, mas simplesmente de festas populares, em que as paróquias realizam alguns atos de culto, que fazem parte dos acontecimentos festivos, mas não são a festa.
Escrevo isto porque, por vezes, se exagera no programa das festas, nos gastos avultados, sobretudo em arruados, artistas convidados e fogo de artifício. O culto dos exibicionismos, das disputas entre comissões e das vaidades, que muitas vezes acaba em zangas e arruaças, não é muito próprio de uma festa popular nem muito menos religiosa. As festas devem promover o convívio, a alegria entre a população, residentes e visitantes e, se religiosas, também a devoção e o fortalecimento da fé das pessoas.
Também não posso deixar de advertir as comissões de festas ligadas à igreja, aos conselhos económicos paroquiais e às irmandades para terem cuidado com a legalidade fiscal, não favorecendo a fuga aos impostos sobretudo no pagamento aos artistas. E se os lucros económicos da festa não se destinarem ao culto ou a outras finalidades da acção da igreja, também devem submeter-se às normas contributivas em vigor.
Festas sim, mas para promover, na simplicidade, o convívio, a alegria e a devoção, no respeito pelas leis em vigor. Assim vale a pena festejar e cansar-se, pois nada poderá pagar o lucro social e religioso daí resultante. Boas férias e boas festas são os meus votos.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
09h00 - segunda, 11/12/2017
Bruno Lima campeão
nacional de jiujitsu
O jovem Bruno Lima, atleta da Associação de Jiujitsu Brasileiro de Castro Verde, sagrou-se neste sábado, 9 de Dezembro, campeão nacional da modalidade na categoria Infanto-Juvenil/ Faixa Verde.
07h00 - segunda, 11/12/2017
Exposição em Aljustrel
lembra revista "Presença"
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 11, a exposição "O que foi a presença: uma leitura a 90 anos de distância", criada pelo Centro de Estudos Regianos e dedicada à revista "Presença".
00h00 - segunda, 11/12/2017
Câmara de Castro Verde prepara orçamento de 2018
O Orçamento e Grandes Opções do Plano (GOP) para o próximo ano de 2018 da Câmara Municipal de Castro Verde, o primeiro elaborado pelo novo executivo liderado pelo socialista António José Brito, vai ser apresentado, discutido e votado em sede de Câmara e Assembleia Municipal até ao Natal.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Centro de Paralisia de
Beja lança calendário
O Centro de Paralisia Cerebral de Beja (CPCB) apresenta nesta segunda-feira, 11 de Dezembro, o seu calendário solidário "Abraça o meu Sonho", que visa a angariação de fundos para a instituição.
00h00 - segunda, 11/12/2017
Ferreira do Alentejo
diminui taxa de IMI
A Câmara de Ferreira do Alentejo aprovou a diminuição do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) dos prédios urbanos no concelho, que em 2018 passará para a taxa de 0,375%.

Data: 07/12/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial