11h04 - sexta, 24/07/2015

Ecologia integral


D. António Vitalino Dantas
A ecologia estuda as relações entre os organismos vivos e o meio ambiente onde se desenvolvem, lemos na encíclica Louvado sejas (n. 138). O ser humano, dotado de capacidades reflexivas, deve pensar e orientar a sua vida, corpo e espírito, em todas as relações, sem excluir nenhuma. Nos capítulos IV e V da encíclica o Papa Francisco menciona e descreve todas essas relações, mostrando a sua importância para a realização plena e harmónica do ser humano.
A ecologia ambiental, económica e social estão interligadas. Nenhuma pode ser excluída em benefício de alguma delas. A exclusão de alguma dessas relações ou de algum membro da nossa sociedade é um empobrecimento da realidade e tem repercussões no bem integral do todo. Por isso, como seres dotados de inteligência, criados à imagem e semelhança de Deus, foi-nos confiado o cuidado de toda a criação. O nosso próprio bem depende do todo que nos envolve.
O desenvolvimento económico, desligado de todos os outros aspectos, procura apenas o maior lucro, o mercado, sem ter em conta o desenvolvimento humano e social e sem preservar o ambiente. A técnica ao serviço da economia causa muitos estragos ao ambiente e lança muita gente para o desemprego. Como já foi dito nestas considerações sobre esta encíclica, o trabalho faz parte da realização da dignidade humana. Um desenvolvimento sem consideração da dignidade da pessoa torna-se desumano. É preciso saber colocar a técnica ao serviço da pessoa e não ao contrário. Já D. José do Patrocínio Dias, o bispo-soldado de Beja, dizia que uma máquina ceifeira tirava o trabalho a 40 pessoas. O que se fez delas? Muitas ficavam nas praças das aldeias à espera que alguém as contratasse. Outras emigraram. E assim começou a desertificação do Alentejo. Hoje, muitas aldeias estão desertas ou apenas habitadas por idosos. Como rejuvenescer a nossa sociedade? Esta encíclica põe a descoberto muitos dos erros do nosso desenvolvimento desumano. Sem apresentar soluções, pois não é essa a missão da Igreja, no entanto alerta os nossos políticos e empresários a não pensarem apenas no progresso económico e financeiro, depredando e degradando os nossos ecossistemas e tratando muitos seres humanos como descartáveis, lançando-os para as bermas do desenvolvimento tecnológico. A cultura e a justiça intergeracional também devem ser respeitadas.
No capítulo V o Papa apresenta algumas linhas de orientação e ação, como o diálogo sobre o meio ambiente na politica internacional, pensando o mundo como a casa comum de todos. Os acordos internacionais precisam de ser levados à prática, tendo em conta os países mais pobres. É preciso por a politica e a economia ao serviço da vida humana e ter em conta o património das religiões no diálogo com as ciências.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sexta, 19/01/2018
Eleições nas concelhias
do Partido Socialista
Os militantes do Partido Socialista no distrito de Beja escolhem nesta sexta-feira e sábado, dias 19 e 20 de Janeiro, os presidentes das respectivas comissões políticas para os próximos dois anos.
00h00 - sexta, 19/01/2018
Melhores ciclistas do
mundo em Almodôvar
As seis melhores equipas de ciclismo do mundo da actualidade vão passar pelo concelho de Almodôvar no próximo mês de Fevereiro, durante a 44ª edição da Volta ao Algarve em Bicicleta.
00h00 - sexta, 19/01/2018
Seminário no IPBeja
sobre Serviço Social
O auditório da Escola Superior de Educação do Politécnico de Beja (IPBeja) recebe nesta sexta-feira, 19, um seminário sobre Serviço Social, promovido pela Comissão Técnico-Científica e Pedagógica da licenciatura em Serviço Social.
00h00 - sexta, 19/01/2018
Centro interpretativo de
música portuguesa em Beja
O Centro Unesco para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial em Beja vai passar a ser também, a partir de Abril, um centro de interpretação ligado ao projecto "A Música Portuguesa a Gostar Dela Própria".
17h24 - quinta, 18/01/2018
Neves-Corvo: Construções do projecto de expansão do zinco adiadas
A Somincor decidiu adiar as construções do projecto de expansão do zinco (ZEP) à superfície em Neves-Corvo até que se verifique "a estabilidade total da operação" na mina situada no concelho de Castro Verde, adiantou ao "CA" fonte oficial da empresa.

Data: 12/01/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial