11h33 - sexta, 10/07/2015

Caiu o muro de Atenas


Napoleão Mira
No passado domingo, 5 de Julho, a Europa da união monetária como a conhecemos, começou a desmoronar-se. Nada será como dantes! O povo grego, fazendo jus à sua condição de pai da Democracia, deu um lição de coragem e determinação, dizendo NÃO aos tecnocratas centro-europeus, ao mesmo tempo que dizia SIM à sua dignidade e independência.
Embora correndo riscos desconhecidos e incalculáveis face à sua tomada de decisão, a nação helénica deu uma inesperada lição de verticalidade a toda Europa. É claro que existem argumentos sólidos por parte dos credores, mas também não é menos óbvio que os paliativos aplicados a este doente apenas lhe agravaram a doença, tornando-a incurável.
A dívida da Grécia é impagável. Quem o diz não sou eu, são os mais insuspeitos, independentes e reputados economistas mundiais. Logo, este terá de ser o ponto de partida para futuras negociações. Caso se insista num novo resgate nos moldes dos antecedentes, está-se a empurrar com a barriga um problema insanável que, mais tarde ou mais cedo, irá contagiar os países com maiores debilidades como Portugal, Espanha e Itália, só para enumerar aqueles que estão na linha de tiro dos snipers financeiros.
A saída controlada do euro por parte dos gregos poderá ser uma medida inteligente, desafogante para a economia deste país, até porque nunca lá deveriam ter entrado, visto os governos da altura terem ludibriado as contas (com conhecimento das autoridades europeias!) para aderirem à moeda única.
No momento presente, de pouco vale chorar sobre o leite derramado. Leia-se: sobre os euros evaporados dos anteriores resgates. O importante agora é que os tecnocratas europeus aprendam alguma coisa com a lição de coragem que lhes foi dada pela esmagadora maioria de um povo que, com o poder do seu voto, disse: BASTA!!
Ao ver no passado domingo as imagens da Praça Sintagma, lembrei-me de um outro momento histórico que teve lugar a 9 de Novembro de 1989 nas Portas de Brandemburgo. Falo da queda do famigerado muro de Berlim.
Nesta data, 5 de Julho de 2015, os gregos, tiveram a coragem de começar a derrubar um outro muro. O muro da indignidade e da humilhação.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 20/11/2017
Autarca de Beja eleito para a direcção da AMPV
O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, foi eleito no final da passada semana vogal do conselho directivo da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), estrutura que conta com cerca de 80 municípios associados.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Trabalhos de crianças
para ver em Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 20 de Novembro, a exposição "Manta de Retalhos e Desenhos", que junta trabalhos de diversas crianças do concelho.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Água: AgdA e cinco autarquias
premiadas com Selo de Qualidade
A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e cinco câmaras municipais do distrito de Beja foram galardoadas na XII Expo-Conferência da Água com o Selo de Qualidade exemplar de água para consumo humano.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Semana gastronómica
do medronho em Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho e pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.
17h38 - domingo, 19/11/2017
Almodôvar e Mineiro
na frente do "Distritalão"
A formação do Almodôvar juntou-se ao Mineiro Aljustrelense na liderança do campeonato distrital da 1ª divisão, cumprida que está a 9ª jornada, realizada na tarde deste domingo, 19 de Novembro.

Data: 10/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial