11h33 - sexta, 10/07/2015

Caiu o muro de Atenas


Napoleão Mira
No passado domingo, 5 de Julho, a Europa da união monetária como a conhecemos, começou a desmoronar-se. Nada será como dantes! O povo grego, fazendo jus à sua condição de pai da Democracia, deu um lição de coragem e determinação, dizendo NÃO aos tecnocratas centro-europeus, ao mesmo tempo que dizia SIM à sua dignidade e independência.
Embora correndo riscos desconhecidos e incalculáveis face à sua tomada de decisão, a nação helénica deu uma inesperada lição de verticalidade a toda Europa. É claro que existem argumentos sólidos por parte dos credores, mas também não é menos óbvio que os paliativos aplicados a este doente apenas lhe agravaram a doença, tornando-a incurável.
A dívida da Grécia é impagável. Quem o diz não sou eu, são os mais insuspeitos, independentes e reputados economistas mundiais. Logo, este terá de ser o ponto de partida para futuras negociações. Caso se insista num novo resgate nos moldes dos antecedentes, está-se a empurrar com a barriga um problema insanável que, mais tarde ou mais cedo, irá contagiar os países com maiores debilidades como Portugal, Espanha e Itália, só para enumerar aqueles que estão na linha de tiro dos snipers financeiros.
A saída controlada do euro por parte dos gregos poderá ser uma medida inteligente, desafogante para a economia deste país, até porque nunca lá deveriam ter entrado, visto os governos da altura terem ludibriado as contas (com conhecimento das autoridades europeias!) para aderirem à moeda única.
No momento presente, de pouco vale chorar sobre o leite derramado. Leia-se: sobre os euros evaporados dos anteriores resgates. O importante agora é que os tecnocratas europeus aprendam alguma coisa com a lição de coragem que lhes foi dada pela esmagadora maioria de um povo que, com o poder do seu voto, disse: BASTA!!
Ao ver no passado domingo as imagens da Praça Sintagma, lembrei-me de um outro momento histórico que teve lugar a 9 de Novembro de 1989 nas Portas de Brandemburgo. Falo da queda do famigerado muro de Berlim.
Nesta data, 5 de Julho de 2015, os gregos, tiveram a coragem de começar a derrubar um outro muro. O muro da indignidade e da humilhação.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 17/01/2018
Conceição Casanova
lidera Assembleia de Beja
A socialista Conceição Casanova foi eleita nesta terça-feira, 16 de Janeiro, presidente da mesa da Assembleia Municipal de Beja, substituindo no cargo Fernando Romba, que deixou funções depois de ter sido nomeado secretário-executivo da CIMBAL.
07h00 - quarta, 17/01/2018
FACAL 2018 já
tem data marcada
Já pode assinalar no calanedário: a 23ª edição da Feira de Artes e Cultura de Almodôvar (FACAL) irá realizar-se entre os dias 6 e 8 de Julho, adiantou ao "CA" fonte oficial da autarquia local.
07h00 - quarta, 17/01/2018
OP das Freguesias
continua em Odemira
O "Orçamento Participativo" (OP) de cada uma das 13 freguesias do concelho de Odemira vai continuar em 2018, depois do sucesso alcançado no ano anterior, revela fonte da Câmara Municipal.
07h00 - terça, 16/01/2018
Detidos em Ourique
por tráfico de droga
A GNR deteve nesta segunda-feira, 15 de Janeiro, em Ourique, dois homens, com 23 e 33 anos respectivamente, por suspeitas da prática do crime de tráfico de estupefacientes.
07h00 - terça, 16/01/2018
Técnicos da DGEstE
na Secundária de Castro
Um grupo de técnicos da Direcção Geral dos Estabelecimentos Escolares (DGEstE) visitou nesta segunda-feira, 15 de Janeiro, a Escola Secundária de Castro Verde, que necessita de obras de requalificação.

Data: 12/01/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial