16h24 - quinta, 11/06/2015

Quem não deve não treme!


Napoleão Mira
Não sei se é coisa só minha, ou se também acontece a quem passa por aqui os olhos.
Sempre que recebo correio e o remetente tem no titulo a sigla A.T. (Autoridade Tributária) fico de imediato apreensivo. Solta-se-me o coração aos pulos, começo a suar em bica, tremem-me as mãos. Tal não deveria acontecer! Sou um cidadão exemplar, pago os meus impostos a tempo e horas, salvo um ou outro equivoco, as minhas querelas com esta entidade têm sido resolvidas a contento.
Portanto: Quem não deve não treme! Penso eu em forma de apaziguamento.
Mas facto é, que os episódios são aos milhentos e receio que qualquer dia me toque a mim. Cito por exemplo o dos condutores que, por qualquer razão, não pagam meia-dúzia de portagens (ainda por cima a uma empresa particular!), é-lhes ameaçado confiscar o património de uma vida, normalmente a habitação, como forma coerciva de liquidar os supostos 10 euros das portagens mais os 1.000 euros de multas mais as custas de não sei quê.
Ou o caricato caso da conta do restaurante, que me dizem ter o dever de cidadania (bufaria, na minha linguagem!) de a ir pagar às finanças, caso tenha conhecimento que o dono do restaurante onde habitualmente como, tem dívidas à umbrosa A.T.
O ridículo da coisa, é que eu, que não devo nada à A.T., no limite, posso passar a ter os meus bens penhorados por ter ignorado a diretiva emanada pelas eloquentes cabecinhas que debitam este vómito em forma de legislação.
Como vivi uns bons anos no anterior regime ditatorial, recordo-me perfeitamente dos métodos pidescos utilizados então. Reconheço nestes, os mesmos tiques de amedrontamento, a mesma fórmula aterrorizante, o mesmíssimo despudor com que é tratado o cidadão.
No outro dia, tocaram-me à porta. Espreitei sem ser detetado. Eram dois soturnos engravatados de pasta na mão. Escondi-me e não a abri. Supus de imediato serem dois inspetores da tenebrosa Autoridade (só o nome já me causa calafrios!)
Soube depois tratarem-se de dois inofensivos vendedores de eternidades em forma de reencarnação. Vulgo, Testemunhas de Jeová.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
16:42, Sexta-feira, 12 de Abril de 2017
Jerônimo
Só um detalhe: Testemunhas de Jeová não acreditam na eternidade pela reencarnação.

07h00 - terça, 27/06/2017
Três títulos de ciclismo
para a equipa da Casa
do Benfica de Almodôvar
A equipa de ciclismo Master da Casa do Benfica em Almodôvar garantiu no passado fim-de-semana, 24 e 25 de Junho, três títulos de campeão nacional e viu ainda dois atletas sagrarem-se vice-campeões nacionais.
07h00 - terça, 27/06/2017
Recuperação ambiental
na Mina de S. Domingos
Já estão a decorrer os trabalhos da primeira fase do projecto de recuperação ambiental da Mina de São Domingos, no concelho de Mértola, investimento avaliado em de 3,8 milhões de euros que deverá estar concluído em Agosto do próximo ano.
07h00 - terça, 27/06/2017
Autárquicas: Bloco
apresenta candidatos
em Beja e Serpa
O Bloco de Esquerda (BE) apresenta esta terça-feira, 27 de Junho, os seus candidatos nos concelhos de Beja e de Serpa nas eleições Autárquicas do próximo dia 1 de Outubro.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Patinador de Aljustrel
vice-campeão nacional
O patinador Hugo Henriques tem apenas 17 anos, mas já alcançou um dos seus sonhos de menino: subir ao pódio numa prova nacional de patinagem artística.
00h00 - segunda, 26/06/2017
Museu de Beja
vai ser requalificado
A Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) vai avançar com a requalificação do edifício do Convento de Nossa Senhora da Conceição, onde está instalado o Museu Regional de Beja.

Data: 23/06/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial