16h23 - quinta, 11/06/2015

Português entre os emigrantes


D. António Vitalino Dantas
Celebrámos mais um Dia de Porugal, das Comunidades e de Camões. Noutros tempos designava-se simplesmente Dia de Camões, o grande cantor da língua portuguesa. No contacto com os nossos emigrantes em países com idiomas muito diferentes do português compreendo bem o sentido e a força da expressão de outro nosso grande poeta, Fernando Pessoa: "A língua é a nossa pátria".
Nos meus contactos com as comunidades portuguesas espalhadas pelo mundo e com os seus agentes pastorais, padres, diáconos, catequistas e outros colaboradores noto a força da nossa língua para fomentar os laços da família e das comunidades. A transmissão dos afetos, da fé e dos valores familiares e cristãos é mais eficiente quando se faz na língua das origens da família. Embora as novas gerações já frequentem ou frequentaram as escolas dos países onde residem e para a conversação entre elas usem o idioma da escola, no entanto os valores e afetos têm uma expressão que não passa só por palavras nem por formulários, mesmo que sejam orações tradicionais. Quando nos zangamos ou exprimimos sentimentos de amizade, não é apenas a expressão do rosto que fala. Também surgem as palavras correspondentes que ouvimos e aprendemos no colo ou no berço. Daí a importância da aprendizagem da língua da nossa família, para crescermos e fortalecermos a nossa identidade. Quem não faz esta experiência pode acabar por viver inseguro, sem pátria.
Sei que o cristão é cidadão do mundo. Em toda a parte é concidadão e não estrangeiro. Mas esta maturidade da vida humana e cristã passa por várias fases, pelo diálogo com a diferença. A diversidade acaba por tornar-se uma riqueza na maturidade da vida. Os emigrantes que têm a possibilidade de crescer e desenvolver-se neste sentido acabam por constituir os cidadãos adultos do futuro e construir a sociedade sem fronteiras, mas não sem pátria.
As missões e associações de língua portuguesa, com os seus movimentos e actividades próprias, como catequese, celebrações, ranchos, escolas de formação e aprendizagem da língua portuguesa e do idioma do país de residência são uma grande riqueza para ajudar neste desenvolvimento de inclusão e maturidade, em que cada um contribui com o melhor de si. Aproveito para agradecer a todos, agentes pastorais, instituições e associações das comunidades de língua portuguesa espalhadas pelo mundo, que ajudam as novas gerações a conhecer as suas raízes e a integrar-se no país de residência. Estão a dilatar a pátria pelo mundo e a ajudar ao aparecimento da nova sociedade, onde todos são concidadãos e não estrangeiros.



Outros artigos de D. António Vitalino Dantas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
00h00 - sábado, 27/05/2017
PS apresenta candidatos
no concelho de Moura
O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, vai estar na apresentação dos candidatos do PS aos órgãos autárquicos do concelho de Moura, agendada para este sábado, 27.
00h00 - sábado, 27/05/2017
Aljustrel recebe encontro
de universidades seniores
Cerca de 1200 pessoas de todo o país participam este sábado, 27 de Maio, no XVI Encontro Nacional de Universidades Seniores, que em 2017 se realiza na vila de Aljustrel.
00h00 - sábado, 27/05/2017
Mercado da Terra
na vila de Aljustrel
Os produtos locais do concelho vão estar em destaque no "Mercado cá da terra", iniciativa que se realiza este sábado, 27, no Jardim 25 de Abril, na vila de Aljustrel.
00h00 - sábado, 27/05/2017
"Terras Sem Sombra"
em Ferreira do Alentejo
Ferreira do Alentejo recebe este fim-de-semana, 27 e 28 de Maio, mais uma "etapa" do festival de música sacra "Terras Sem Sombra 2017", promovido pela Diocese de Beja.
15h00 - sexta, 26/05/2017
Feira dos Sabores
em Santana da Serra
A aldeia de Santana da Serra, no concelho de Ourique, recebe a partir desta sexta-feira, 26, a 13ª edição da Feira dos Saberes e Sabores, que vai decorrer no Pavilhão Multiusos.

Data: 26/05/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial