11h40 - sexta, 15/05/2015

Desencanto


Napoleão Mira
Vêm aí as eleições legislativas!
E, com elas, as fórmulas mágicas dos partidos do chamado arco da governação que, por artes malabares irão resgatar-nos da crise, agora, e de vez!
Irão restituir-nos o que nos foi surripiado, baixar os impostos, enfim, devolver-nos o sorriso que há muito anda afastado do rosto dos portugueses.
Passos Coelho e camarilha, afirmam a pés juntos que o pior já passou. Atiram-nos à cara um chorrilho de estatísticas encomendadas, ao mesmo tempo que nos atemorizam com a frase: "Ou nós, ou o caos!"
António Costa encarrega estudo a reputados economistas numa tentativa de credibilizar as suas propostas. Estas, curiosamente, consistem na mesma música tocada pelos trompetistas do poleiro. Aliviar a carga fiscal, criar emprego, fazer crescer a economia e, por fim, devolver o sorriso que há muito falta na cara dos portugueses.
Bem sei que eleições são isto mesmo. Passam por conjugar o verbo prometer em todas as suas variantes, para depois, no poleiro trocarem a trompete pelo chicote e açoitarem durante mais quatro anos o costado dos indígenas.
Eu e pelo menos cerca de 50% dos portugueses, há muito que deixámos de acreditar nas balelas, nos arpejos celestiais com que nos pretendem embalar por estas alturas.
A desilusão é de tal ordem, que só me apetece seguir o conselho de José Saramago no seu Ensaio Sobre a Lucidez e... votar em branco. Esperar que os meus concidadãos façam o mesmo e, que desse exercício, resulte um golpe de estado democrático, que faça implodir o viciado sistema eleitoral e parlamentar em que vivemos.
Sim! Quero continuar a viver em democracia. Numa democracia onde os valores da verdade, da justiça, da igualdade de oportunidades não sejam meros prometimentos eleitorais. Para tal, é necessário inverter o ciclo vicioso do, ora tu, ora eu, a que vimos assistindo nas últimas décadas. É fundamental que se criem alternativas junto da sociedade. Que os cidadãos de conhecimento, traquejo e boa vontade sejam chamados a terreiro.
O sistema partidário em que vivemos transformou-se numa casta apodrecida, num lamaçal esponjoso, num beco mal frequentado onde (pasme-se!), o individuo que se intitula primeiro-ministro, até faz o elogio público da banditagem.



Outros artigos de Napoleão Mira

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 20/11/2017
Autarca de Beja eleito para a direcção da AMPV
O presidente da Câmara de Beja, Paulo Arsénio, foi eleito no final da passada semana vogal do conselho directivo da Associação de Municípios Portugueses do Vinho (AMPV), estrutura que conta com cerca de 80 municípios associados.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Trabalhos de crianças
para ver em Aljustrel
A Biblioteca Municipal de Aljustrel recebe a partir desta segunda-feira, 20 de Novembro, a exposição "Manta de Retalhos e Desenhos", que junta trabalhos de diversas crianças do concelho.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Água: AgdA e cinco autarquias
premiadas com Selo de Qualidade
A empresa Águas Públicas do Alentejo (AgdA) e cinco câmaras municipais do distrito de Beja foram galardoadas na XII Expo-Conferência da Água com o Selo de Qualidade exemplar de água para consumo humano.
00h00 - segunda, 20/11/2017
Semana gastronómica
do medronho em Odemira
Borrego frito com molho de medronho, mel e hortelã, bife de vaca com café e medronho e pudim de medronho são algumas das propostas ao longo desta semana em quatro restaurantes do concelho de Odemira.
17h38 - domingo, 19/11/2017
Almodôvar e Mineiro
na frente do "Distritalão"
A formação do Almodôvar juntou-se ao Mineiro Aljustrelense na liderança do campeonato distrital da 1ª divisão, cumprida que está a 9ª jornada, realizada na tarde deste domingo, 19 de Novembro.

Data: 10/11/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial