12h51 - sexta, 10/10/2014

Não há estratégia no "Pós-Alqueva"


Aníbal Reis Costa
A nossa região tem um grave problema: o Partido mais votado, a nível nacional, nas (distantes) eleições de 2011 é apenas o terceiro classificado no nosso círculo eleitoral. Esta discrepância é agravada pelo facto de apenas elegermos 3 (três!) eleitores, cabendo a cada força eleitoral, como se sabe, apenas 1. Somos poucos e estamos divididos.
Poderia ser apenas este o problema, mas o mais grave é que, com exceções, os responsáveis governamentais (muito disto se tem passado no Governo atual) estão pouco "sensibilizados" para os nossos problemas, anseios, estratégias, etc. Não sabem e também, parece, não tem grande interesse em saber. Com exceção de algumas deslocações oficiais (Ovibeja, alguns investimentos privados e pouco mais) temos assistido a "vindas" muito esporádicas de responsáveis e interesse ainda mais reduzido...
A Ministra da Agricultura fala de Alqueva (como se fosse obra própria) com uma compilação alargada de "clichés" e "lugares-comuns", dizendo que o Alqueva permitirá aumentar a disponibilidade de água para os agricultores para a produção do "nosso vinho, nosso azeite", etc, mas para além de avançar para um projeto consensualizado e projetado, durante anos, o que mais foi feito?
Todos nós concordamos e (nalguns casos) sentimos, o quão positivo e decisivo foi o avanço do regadio, com novas culturas, novas tecnologias, enfim Nova Agricultura. Ninguém poderá imaginar o Alentejo sem água para competir com as outras regiões/países do Mundo. Sem água perderemos todas e quaisquer expectativas de Desenvolvimento...!
O Alqueva permitirá passar dos 68 000 ha de regadio instalados para uma área de 120 000 ha com todo o potencial que representa. Tudo isto está tudo certo, mas só se conseguirá garantir maior empregabilidade (que o setor agrícola, está provado, não assegura convenientemente) se passarmos para a "segunda fase do Alqueva", isto é: o desenvolvimento da fileira Agroindustrial. E quanto a isso, até agora o que se disse e planeou? ZERO!
Como se vai permitir que novas unidades agroindustriais se instalem em "áreas de uso agrícola predominante" (RAN) e/ou "áreas de proteção e valorização ambiental" (REN, REDE NATURA, por ex) ou, nalguns (menos) casos de "desafetação" de áreas de regadio para aí se poderem instalar investimentos industriais "valorizadores da atividade?
Em 2002, o Município de Ferreira do Alentejo, em conjunto com outras entidades, como foi o caso da EDIA e o próprio Ministério da Agricultura, lançaram uma "iniciativa-piloto" com vista a criação de uma "área preferencial para o uso agroindustrial", tendo por base as expectativas criadas com a primeira zona de regadio do Empreendimento de Fins Múltiplos do Alqueva. Se bem que o modelo pensado inicialmente tenha carecido de vários acertos, a verdade é que, em 2007, começaram a instalar-se (com condições específicas muito favoráveis) várias empresas, estando agora, dos 50 ha iniciais, menos de 15 disponíveis para acolher investimentos e estando o Município a diligenciar, neste momento, em sede de revisão do PDM, para o alargamento da área...!
Esta zona (Parque Agroindustrial do Penique) foi, é (e não se vislumbra que o deixe de ser) a única inciativa para a criação de uma zona agroindustrial numa região como o Alentejo que continua, apesar das "palavras ocas e inconsequentes" de governantes, a acolher muitos investimentos na fileira agrícola, mas que, por força de vários fatores, invariavelmente tem que "exportar" as mais valias agroindustriais para outras regiões do País...
Será para isso que o Alqueva serve, para criar mais valia...fora do Alentejo?
É imperioso e urgente que, a par dos investimentos agrícolas, se possam criar condições para se possa instalar a agroindústria. Só assim podemos aspirar a que o projeto do Alqueva, nas suas várias vertentes, assuma verdadeiramente o papel de Desenvolvimento da região e do país que, desde que foi aprovado, no longínquo ano de 1975, sempre contemplou.
Caso contrário estaremos sempre a criar falsas expectativas e a dificultar a vida aos possíveis empreendedores/investidores que procuram condições únicas (como aquelas que oferecemos) para a produção de produtos agrícolas diferenciadores e de qualidade reconhecida...

Artigo escrito com o novo Acordo Ortográfico



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/05/2020
InCastro apoia
empresas de Castro
A Câmara de Castro Verde tem vindo a desenvolver um plano de apoio à concretização dos incentivos disponibilizados pelo Governo português às empresas no âmbito da Covid-19, através dos serviços do InCastro.
07h00 - terça, 26/05/2020
Alentejo 2020 tem a maior
taxa de compromisso nacional
O Alentejo 2020 fechou o ano de 2019 com uma taxa de execução financeira na ordem dos 27%, a maior entre todos os programas operacionais regionais de Portugal.
07h00 - terça, 26/05/2020
Freguesia de S. Luís
com falta de médicos
A Junta de Freguesia de São Luís, no concelho de Odemira, está indignada pela falta de profissionais de saúde na Extensão de Saúde local, sendo que de momento a freguesia não conta com médico, enfermeiros ou sequer serviços administrativos.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Aljustrel retoma
mercados mensais
A Câmara de Aljustrel decidiu retomar a realização de mercados mensais no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", ainda que mediante o cumprimento de novas regras devido à pandemia de Covid-19.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Câmara de Almodôvar aprova
apoios às empresas do concelho
A Câmara de Almodôvar aprovou na passada semana, em reunião do executivo, um lote de candidaturas, no valor aproximado de 29591 euros, no âmbito do Programa de Apoio ao Tecido Empresarial (PATECA).

Data: 15/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial