09h55 - sexta, 18/01/2013

Imbecilidade com graves consequências...


Aníbal Reis Costa
O desenvolvimento de uma região pressupõe que haja, de entre vários fatores, uma atratividade natural (do ponto de vista do chamamento de investimentos) com a existência de recursos naturais/endógenos de particular valia, etc. que se encontre dotada de recursos humanos especialmente qualificados e empreendedores, a existência de outros instrumentos/meios que lhe permita ser competitiva com os outros territórios, designadamente infraestruturas, vias de comunicação e formas privilegiadas de "escoar" a produção.
No caso do Alentejo, em particular o do Baixo Alentejo, começámos, há bem pouco tempo atrás, a tentar recuperar o atraso de décadas de isolamento, motivado, especialmente, por uma ditadura (como todas, centralizadora e desprezadora do território) e por um processo pós-revolução extremamente fraturante e que deixou "mazelas" económicas, sociais e culturais.
Foi feita a aposta no Empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, dotando a região de uma reserva estratégica de água, criando condições para uma nova agricultura, capaz de competir com o resto do Mundo, moderna e com condições para atrair investimento privado.
Apostou-se na utilização civil da Base Aérea 11, com a criação do aeroporto de Beja, com o investimento (comparticipado por fundos comunitários) a todos os níveis considerado lógico por potenciar recursos existentes e obter evidentes ganhos ao nível da ligação aérea de carga e passageiros.
Apostou-se, enfim, na ligação do aeroporto de Beja à A2 (uma das principais artérias de deslocação de pessoas e de bens em Portugal) e complementaridade com outros investimentos.
Detenhamo-nos, pois, neste projeto.
Este último projeto foi muito debatido ao nível das autarquias envolvidas (Santiago do Cacém, Sines, Grândola, Beja e Ferreira do Alentejo) durante, mais ou menos, 10 anos. Foi um processo que envolveu assembleias e câmaras municipais, pedidos de parecer e consultas de diversas entidades, com a escolha (democrática e participativa) dos trajetos/corredores rodoviários e pressupôs um alongado debate ao nível regional e nacional.
Quando tudo isso foi conseguido, entendeu o Governo da altura (PS) avançar para uma via rodoviária fundamental de ligação do interior (aeroporto de Beja) ao litoral (porto de Sines) como corolário da estratégia de desenvolvimento preconizada e consensualizada na região: Porto de Sines – Alqueva – Aeroporto de Beja.
Este projeto foi, desde a primeira hora, um motivo de expectativa por parte dos agentes económicos, sociais e culturais da região.
Integrar as potencialidades do Baixo Alentejo, valorizando o potencial endógeno e incrementando o movimento de pessoas e mercadorias, criando uma sinergia que é lógica e racional, permitiria aumentar a coesão dos territórios e tornar a região mais competitiva.
A verdadeira "artéria" por onde se fomentaria o desenvolvimento da região, complementando o esforço público dos outros investimentos estava estudada (na sua viabilidade) projetada como um investimento público descentralizado e, pouco tempo depois, no terreno.
O resto já todos, infelizmente, sabemos.
A imbecilidade prevaleceu e a obra (já avançada, nalguns casos, com mais de 50% executada) foi abandonada, desperdiçando-se, como se nos pudéssemos de dar a esse luxo, muitos milhões de euros, por um Governo que não soube, desde a primeira hora (e continua a não saber), definir uma estratégia para os investimentos em curso.
Governo esse que rejeitou liminarmente deslocar-se ao terreno e saber as consequências da imbecilidade. Que, enfim, terá procurado inviabilizar, desde a primeira hora, todos os investimentos públicos previstos (e em curso) para a região (Alqueva e aeroporto).
A ideia era acabar, terminar, extinguir (diabolizar) qualquer presença de investimento público realizado pelo governo anterior no território, com as "hossanas" dos dirigentes locais do PSD/deputado em substituição e com, uma aparente passividade e conivência (?) dos dirigentes regionais/nacionais do PCP.
Qual a razão? Tinha sido desenvolvido por um Governo PS que (como todos sabemos) é, do ponto de vista eleitoral, o adversário natural de PCP e PSD.
O problema disto é que, passado mais de um ano, para além de umas "marchas lentas" inconsequentes, uns pedidos de audiência "manhosos" ao Governo, no habitual "protesto por protesto" do PCP e das calinadas (também habituais) de um deputado (suplente) que "só se representa a si próprio" (o efetivo será consultor do FMI disfarçado?) as coisas continuam na mesma "como a lesma".
Calculando (a habitual?) inércia de alguns agentes políticos na região, a Câmara Municipal de Ferreira do Alentejo avançou, de forma determinada, para um processo judicial (que será moroso) mas que, nesta altura, se nos afigura como a única forma de lidarmos com o autismo do Governo.
Para que não esqueçamos: a obra da A26 não é uma obra local. Não serve um só concelho, serve uma região (composta por vários concelhos) e é essencial para o seu futuro.
A expectativa de agentes económicos (que possam trazer mais investimento para a região) e que (continuam a contar com A26)a viabilidade da estratégia de desenvolvimento e acima de tudo uma questão de modernidade, no acesso da capital de distrito e aeroporto de Beja, pressupõem que não baixemos os braços nem nos resignemos a uma conjuntura desfavorável que atravessamos e pugnemos pela concretização/finalização desta obra.
Quem não quer a A26 ou não quer o desenvolvimento da região, ou está servindo interesses que não são o da região!
Para isso não contem connosco!



COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
23:06, Domingo, 20 de Novembro de 2019
Joao Silva Piedade
Natural do co ncelho e filho da Fª de Fª dos Cavaleiros não posso estar mais de acordo com o seu artigo e com a coragem que demonstra em enfrentar esta cambada de incompetentes que governam este pais so pensando nele3s e nos seus e desprezando o bem estar das populações, a sua força criativa e esforço para o bem do pais. Bem haja Dr Costa. JP

07h00 - quarta, 23/01/2019
Carlos Sequeira
campeão de jiujitsu
O atleta Carlos Sequeira, da Associação de Jiujitsu Brasileiro de Castro Verde, garantiu no último fim-de-semana o título de campeão europeu de jiujitsu na categoria de Masters Pesado/ Faixa Roxa.
07h00 - quarta, 23/01/2019
Delegação da Toyota
visita Castro Verde
Uma delegação da Toyota Europe e Toyota Japan vai estar em Castro Verde nesta quarta-feira, 23, no sentido de conhecer "os desafios e as boas práticas em territórios do interior", como é o caso deste concelho.
07h00 - quarta, 23/01/2019
Câmara de Beja apoia
Centro de Paralisia
A Câmara de Beja estabeleceu um protocolo com o Centro de Paralisia Cerebral de Beja que prevê a atribuição, por parte da autarquia, de um subsídio mensal de mil euros para garantir que crianças do concelho possam beneficiar da actividade de equitação terapêutica.
07h00 - terça, 22/01/2019
CM Castro Verde faz obras na
EB1 de Santa Bárbara de Padrões
Arrancaram no passado mês de Dezembro as obras de construção de uma antecâmara entre os dois edifícios da Escola Básica (EB) 1 de Santa Bárbara de Padrões, promovidas pela Câmara de Castro Verde.
07h00 - terça, 22/01/2019
IPDJ e AFBeja distinguem
infantis do Aljustrelense
O Instituto Português da Juventude e Desporto e a Associação de Futebol de Beja distinguiram no último domingo, 20, a equipa de infantis do Mineiro Aljustrelense pela sua atitude de fair-play num jogo do campeonato distrital diante do Alvito.

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial