00h00 - sábado, 11/05/2013

Programas operacionais regionais
não vão terminar no próximo QREN

Programas operacionais regionais não vão terminar no próximo QREN

O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional garante que os programas operacionais regionais no próximo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) não acabam.
"Não há mais margens para especulações. Os programas operacionais regionais não vão acabar. Aliás, o próximo ciclo de fundos comunitários irá, no seu todo, valorizar a dimensão territorial das intervenções e a cooperação estratégica ao nível intermunicipal e das NUT III", diz Manuel Castro Almeida, citado pelo AGência Lusa.
A "especulação" de que os recursos comunitários iriam ser centralizados pelo Governo terminou, vinca, com uma resolução "importante para todos" tomada no último Conselho de Ministros.
"Confesso que não entendi a especulação, porque não imagino sequer que qualquer Governo tomasse a iniciativa de terminar com a gestão dos fundos comunitários", frisa.
Castro Almeida revela que se mantêm cinco programas operacionais regionais (Norte, Centro, Lisboa,Alentejo e Algarve) e os programas temáticos passaram de três para quatro: Competitividade e Internacionalização, Inclusão Social e Emprego, Capital Humano e Sustentabilidade e Eficiência de Recursos.
Esta decisão mostra, na sua opinião, a importância das especificidades regionais, pelo que é "fundamental" começar a preparar o processo do próximo quadro de apoio.
O ciclo de financiamento comunitário para 2014-2020 terá, segundo o secretário de Estado, de criar condições para estimular e aprofundar a cooperação intermunicipal.
"A escala nacional é muito pequena para desenvolver o nosso país, a escala municipal não é suficiente, por isso, a estratégia é valorizar a cooperação intermunicipal", diz.
Castro Almeida garante que é necessário acautelar a execução do actual quadro comunitário de 2007-2013 porque o que fica para o fim é "o mais difícil".
Com 60% de execução, o governante salienta que é importante garantir a concretização de todo o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), porque é impensável devolver dinheiro a Bruxelas.
O secretário de Estado salienta que em vez de fundamentalismo e experimentalismo, tem de se optar pelo pragmatismo no modelo de gestão dos fundos comunitários.
"Portugal é exemplar no modelo de gestão, tanto que é o único país da União Europeia que não teve suspensão de pagamento", realça, reconhecendo, no entanto, que a burocracia é excessiva, sendo importante tornar "tudo" mais ágil.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 16/01/2018
Trabalhadores da Somincor esperam nova proposta
Os trabalhadores da Somincor vão esperar que a administração da empresa apresente uma nova proposta para fazer face às suas reivindicações até ao próximo dia 29 de Janeiro.
00h00 - segunda, 15/01/2018
Crise em 26,8% das
farmácias de Beja
Um total de 26,8% das farmácias do distrito de Beja encontram-se em situação de penhora e insolvência, adianta ao "CA" fonte oficial da Associação Nacional de Farmácias (ANF).
00h00 - domingo, 14/01/2018
EMAS Beja com mudanças na estrutura
O conselho de administração da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja, presidido por Luís Miranda, aprovou esta semana alterações à macro-estrutura da instituição.
00h00 - sexta, 12/01/2018
EMAS Beja com situação financeira delicada
Logo após entrar em funções, a nova administração da Empresa Municipal de Água e Saneamento (EMAS) de Beja teve de liquidar um empréstimo de curto-prazo no valor de 200 mil euros.
07h00 - quinta, 11/01/2018
Trabalhadores da Somincor
vão reúnir em plenários
Depois das três greves realizadas em Outubro, Novembro e Dezembro de 2017, os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, vão decidir em plenário geral "os contornos da continuação da luta".

Data: 12/01/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial