00h00 - sábado, 11/05/2013

Programas operacionais regionais
não vão terminar no próximo QREN

Programas operacionais regionais não vão terminar no próximo QREN

O secretário de Estado do Desenvolvimento Regional garante que os programas operacionais regionais no próximo Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN) não acabam.
"Não há mais margens para especulações. Os programas operacionais regionais não vão acabar. Aliás, o próximo ciclo de fundos comunitários irá, no seu todo, valorizar a dimensão territorial das intervenções e a cooperação estratégica ao nível intermunicipal e das NUT III", diz Manuel Castro Almeida, citado pelo AGência Lusa.
A "especulação" de que os recursos comunitários iriam ser centralizados pelo Governo terminou, vinca, com uma resolução "importante para todos" tomada no último Conselho de Ministros.
"Confesso que não entendi a especulação, porque não imagino sequer que qualquer Governo tomasse a iniciativa de terminar com a gestão dos fundos comunitários", frisa.
Castro Almeida revela que se mantêm cinco programas operacionais regionais (Norte, Centro, Lisboa,Alentejo e Algarve) e os programas temáticos passaram de três para quatro: Competitividade e Internacionalização, Inclusão Social e Emprego, Capital Humano e Sustentabilidade e Eficiência de Recursos.
Esta decisão mostra, na sua opinião, a importância das especificidades regionais, pelo que é "fundamental" começar a preparar o processo do próximo quadro de apoio.
O ciclo de financiamento comunitário para 2014-2020 terá, segundo o secretário de Estado, de criar condições para estimular e aprofundar a cooperação intermunicipal.
"A escala nacional é muito pequena para desenvolver o nosso país, a escala municipal não é suficiente, por isso, a estratégia é valorizar a cooperação intermunicipal", diz.
Castro Almeida garante que é necessário acautelar a execução do actual quadro comunitário de 2007-2013 porque o que fica para o fim é "o mais difícil".
Com 60% de execução, o governante salienta que é importante garantir a concretização de todo o Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), porque é impensável devolver dinheiro a Bruxelas.
O secretário de Estado salienta que em vez de fundamentalismo e experimentalismo, tem de se optar pelo pragmatismo no modelo de gestão dos fundos comunitários.
"Portugal é exemplar no modelo de gestão, tanto que é o único país da União Europeia que não teve suspensão de pagamento", realça, reconhecendo, no entanto, que a burocracia é excessiva, sendo importante tornar "tudo" mais ágil.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 19/09/2018
Ministro da Economia
elogia sector agrícola
O ministro da Economia defende que Portugal "não pode nunca esquecer" a agricultura em detrimento de outros sectores de actividade, nomeadamente numa altura em que as exportações agrícolas estão a crescer.
07h00 - terça, 18/09/2018
Ministro da Economia
visita Vale da Rosa
O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai visitar nesta terça-feira, 18, pelas 13h00, a Herdade Vale da Rosa, no concelho de Ferreira do Alentejo, que é a maior produtora nacional de uvas de mesa.
07h00 - segunda, 17/09/2018
Mértola recebe acção
do "Tourism Up"
Apoiar projectos de empreendedorismo na área do turismo e promover os produtos endógeno são duas das metas do programa "Tourism Up", que promove nesta segunda-feira, 17, uma oficina em Mértola.
07h00 - quarta, 12/09/2018
Plataforma Alentejo
debate acessibilidades
A recém-criada Plataforma Alentejo promove nesta quarta-feira, 12 de Setembro, em Beja, um debate sobre as acessibilidades e transportes fundamentais para o desenvolvimento de toda a região.
07h00 - quarta, 05/09/2018
Presidente da CP garante melhor
serviço na Linha de Beja
O presidente da empresa Comboios de Portugal (CP) garantiu esta terça-feira, 4 de Setembro, na Assembleia da República, que o serviço prestado em várias linhas do país, entre as quais a de Beja, vai ser melhorado "drasticamente" já a partir dos próximos meses de Outubro e de Novembro.

Data: 14/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial