22h51 - sexta, 08/03/2013

MSC inicia em Março ligação
directa entre Sines e África do Sul

MSC inicia em Março ligação directa entre Sines e África do Sul

A Mediterranean Shipping Company (MSC), grupo armador suíço, inicia este mês um serviço directo com escalas semanais a partir de Sines para portos da África do Sul.
A companhia de navegação realiza, actualmente, um serviço semanal com partida do porto de Sines em direcção à África do Sul com transbordo em Las Palmas (Canárias), o qual irá passar a ser directo a partir de dia 20 deste mês.
Apesar de continuar a fazer escala no arquipélago espanhol, a ausência de transbordo permitirá encurtar a viagem dos navios em cerca de nove dias, explicou à Agência Lusa o director de exportação da filial portuguesa da MSC, António Dias.
Com a reformulação deste serviço, indicou o responsável, o tempo de trânsito entre o porto do Litoral Alentejano e a Cidade do Cabo, capital legislativa sul-africana, passa a ser de 13 dias, sendo de 16 e 18 dias para os portos de Coega e Durban, respectivamente.
Dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) indicam que, em 2012, o volume de exportações das empresas portuguesas para a África do Sul rondou os 102 milhões de euros, um aumento de 18,5% em relação ao ano anterior, com as indústrias ligadas aos veículos à cabeça.
A nova ligação para o país do sul de África permitirá também uma redução dos tempos de trânsito para os portos moçambicanos de Maputo, Beira e Nacala, servidos a partir de Sines por este serviço da MSC.
As cargas com destino a Moçambique têm de fazer transbordo em Durban, referiu António Dias, uma vez que os portos daquele país lusófono "não têm capacidade para navios de grande calado" como os que partem de Sines, com capacidade para 9.500 TEU (unidade de medida correspondente a um contentor de 20 pés).
No porto da Beira, não podem entrar navios com capacidade superior a 750 TEU, o que também tem originado um "congestionamento" que acaba por encarecer a importação, exemplificou o director de exportação da empresa portuguesa.
No final do ano passado, a companhia de navegação reformulou também o seu serviço entre Sines e Angola, ficando com uma ligação mais rápida, de cerca de 15 dias, para o porto de Luanda.
O sul de África é, segundo António Dias, um "mercado emergente", havendo necessidade de ajustar a oferta da companhia às necessidades dos exportadores nacionais para aquele destino.
A MSC Portugal realiza 11 escalas semanais no porto do Litoral Alentejano, no qual movimentou, em Janeiro, 4.497 TEU num único navio, um feito que a companhia afirma ser um recorde nacional.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
18:49, Terça-feira, 15 de Junho de 2018
Ilda Moreira
Boa Tarde
Gosta de informar sobre contentores do algarve para Durban (africa de sul)
com muita urgência


Obrugado

Ilda moreira
963497036

07h00 - terça, 20/11/2018
Campanha de Natal
em Castro Verde
A Câmara de Castro Verde promove até ao dia 6 de Janeiro a campanha "Neste Natal, Ofereça Castro Verde-Compre no Comércio Local", que visa ser um estímulo à revitalização do espaço comercial do concelho.
07h00 - segunda, 19/11/2018
Vinhos do Alentejo
valorizados no preço
para exportação
Os vinhos da região do Alentejo registaram no primeiro semestre de 2018 uma valorização de 9% no preço de exportação face ao período homólogo de 2017, revela a Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA).
07h00 - quinta, 15/11/2018
Futuro do regadio debatido em Montes Velhos
São João de Negrilhos, no concelho de Aljustrel, recebe nesta quinta e sexta-feira, dias 15 e 16 de Novembro, uma série de iniciativas no âmbito das XI Jornadas Fenareg-Encontro Regadio 2018, integradas nas comemorações dos 50 anos do Roxo.
07h00 - quarta, 14/11/2018
Economia Circular
debatida em Messejana
A vila de Messejana (Aljustrel) recebe nesta quarta-feira, 14, a segunda reunião plenária do Fórum Economia Circular do Alentejo, promovida pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDRA).
07h00 - sexta, 09/11/2018
LPN informada sobre o problema
Em declarações ao "CA", a bióloga Rita Alcazar, responsável pela Liga para a Protecção da Natureza (LPN) em Castro Verde, lembra que espécies como a raposa, saca-rabos ou corvos são "selvagens", logo sem qualquer controlo.

Data: 09/11/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial