07h00 - sexta, 09/10/2020

São Miguel e Castro Verde: uma devoção com séculos

São Miguel e Castro Verde: uma devoção com séculos

O padre Luís Miguel Fernandes revela que a devoção das gentes de Castro Verde a São Miguel remonta ao ano de 1566, mais concretamente à vila de Entradas, onde segundo os relatórios das Visitações da Ordem de Santiago "é descrita uma ermida, em ruínas e da qual apenas sobrava os alicerces, dedicada ao Arcanjo 'que foi matriz desta vila, em outro tempo'".
Também na estrada entre Castro Verde e Casével foi construída, entres os séculos XVII e XVIII, uma ermida dedicada ao Santo Arcanjo, onde em 1714 se descobriu "'uma fonte de milagre' que ainda hoje permanece como sinal desse acontecimento que virou a história desta vila e concelho", continua o pároco.
"Desde então aquela ermida que outrora estava abandonada, tornou-se o centro de imensos milagres e alvo da devoção dos castrenses que rapidamente a divulgaram até chegar a Lisboa", continua o padre Luís Miguel Fernandes, acrescentando que "por intervenção" de D. João V, e aproveitando "a presença dos melhores mestres em todas as áreas de construção e decoração que estavam na edificação da Basílica Real, foi autorizada e financiada a construção de uma nova ermida (a actual) um pouco mais acima da "fonte santa" para que o Arcanjo fosse dignamente honrado e os seus romeiros e peregrinos pudessem encontrar guarida necessária para as suas peregrinações".
Segundo o pároco castrense, tanto D. José como D. Maria I "continuaram o legado de enriquecer esse templo, tendo esta última o privilégio de encimar o arco triunfal com as suas armas e deixar o seu nome no sino que ainda hoje lá está".
"Assim sendo, aquela ermida não é unicamente uma devoção popular mas, ao ser patrocinada pelas esmolas dos devotos, pelas doações da Ordem de Santiago e da Coroa, foi uma realidade que se impôs em todo o Alentejo e até na vizinha Espanha", complementa.
O padre Luís Miguel Fernandes assegura mesmo que, "a par disto, a Confraria de São Miguel que tratava de toda a organização do culto e das contas por várias vezes ajudou em diversas calamidades no decorrer dos séculos seguintes e servia inclusive de 'banco' para guardar e financiar projectos não só religiosos mas também para a vida social da vila".
"Aquela ermida foi assim centro religioso e espiritual, centro de arte e cultura (ainda patentes), centro económico e de desenvolvimento – até mercado tinha! – da vila e do concelho de Castro Verde", conclui.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
10h00 - quinta, 29/10/2020
Novos presidente e
vice-presidente da CCDR
do Alentejo tomam posse
Os novos presidente e vice-presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Alentejo, assim como das restantes CCDR do país, tomam posse nesta quinta-feira, 29, numa cerimónia que vai decorrer em Coimbra e que contará com a presença do primeiro-ministro, António Costa.
07h00 - quinta, 29/10/2020
Aljustrel prepara resposta
dos serviços à Covid-19
Prevenir, antecipar e preparar a capacidade de resposta dos seus serviços à pandemia da Covid-19 foi o mote da reunião que a Câmara de Aljustrel promoveu com responsáveis pelos diversos sectores da autarquia.
07h00 - quinta, 29/10/2020
Câmara de Odemira
atribui apoio
financeiro às escolas
A Câmara de Odemira vai atribuir um apoio financeiro, no valor total de 33320 euros, aos agrupamentos de escolas e às escolas não agrupadas do concelho, assim como às instituições particulares de solidariedade social (IPSS) com valências na área da Educação, visando o combate à pandemia da Covid-19.
07h00 - quinta, 29/10/2020
Observatório do Baixo Alentejo
quer reforçar influência da região
Contribuir para a resolução dos problemas do território, "reforçando a influência que falta" à região é uma das grandes metas do novo Observatório do Baixo Alentejo (OBA), apresentado publicamente nesta quarta-feira, 28, em Beja.
07h00 - quarta, 28/10/2020
Covid-19: Almodôvar
apoia lares, creches
e bombeiros
A Câmara de Almodôvar vai atribuir um apoio extraordinário, de cerca de 115 mil euros, para as instituições sociais e os bombeiros do concelho adquirirem material de protecção no âmbito da pandemia de Covid-19.

Data: 23/10/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial