07h00 - quinta, 06/08/2020

SOMINCOR:
40 anos que mudaram o
concelho de Castro Verde

SOMINCOR: 40 anos que mudaram o concelho de Castro Verde

A 24 de Julho de 1980 o concelho de Castro Verde (e arredores) mudou para sempre. Foi nesse dia que foi criada a Somincor-Sociedade Mineira de Neves-Corvo, empresa concessionária das minas de cobre e zinco de Neves-Corvo e sinónimo de emprego e desenvolvimento económico e social numa região onde imperava a actividade agrícola.
"São quatro décadas de compromisso com o desenvolvimento de Castro Verde, com a geração de emprego num território onde a oferta era reduzida e de valorização dos minerais existentes", sintetiza o administrador-delegado da Somincor em declarações exclusivas ao "CA".
Para Kenneth Norris, de 1980 a 2020 a Somincor tem percorrido "um caminho com fases diferentes, mas com um crescente compromisso com a valorização da actividade da mina, a responsabilidade social e as preocupações ambientais". "É uma história com muitas histórias, com muitas vivências dos trabalhadores, os actuais e os anteriores, e com uma relevante evolução na forma como a actividade é desenvolvida", resume o gestor canadiano.
Ao longo de 40 anos muita coisa mudou na Somincor. Começou como empresa do Estado e hoje integra um enorme grupo multinacional (a Lundin Mining), dando trabalho – directa e indirectamente – a cerca de 2.000 pessoas. A tecnologia utilizada é do melhor que existe no sector e toda a produção é para exportação. A aposta na sustentabilidade e na preservação do meio-ambiente são prioridades assumidas, assim como a responsabilidade social. Tudo isto faz da Somincor uma empresa única na região e uma referência mundial.
"Procuramos trabalhar para sermos referência, na produção, na segurança, na saúde, no ambiente e na interacção com as comunidades. Com o contributo individual e conjunto, temos conseguido introduzir melhorias na actividade mineira que afirmam Neves-Corvo como uma referência em Portugal e no mundo, naturalmente sujeita às dinâmicas dos mercados globais", observa com satisfação Kenneth Norris.
Além do mais, continua o administrador-delegado da empresa, "esse esforço de melhoria e sustentação em torno de minerais que apresentam um enorme potencial de futuro, na transição energética e digital que está a acontecer, posiciona a Somincor como uma das principais exportadoras nacionais e uma referência global no sector".

"Continuar a cumprir"
Assinalados 40 anos, são muitos os desafios que colocam no futuro da Somincor, que opera numa actividade que tem por base recursos finitos. Por isso mesmo, sublinha Kenneth Norris, o maior desafio da empresa "é o de continuar a cumprir".
"Cumprir com os trabalhadores, as comunidades, a exigência da nossa operação e as modelações dos mercados. Trabalhamos com minerais de futuro, que fazem parte das principais transformações que estão a acontecer no mundo. O cobre e o zinco estão presentes em muitos dos produtos essenciais no presente e para o futuro. Precisamos de continuar a construir soluções de futuro", vinca o administrador-delegado da empresa.
Mas o maior desafio do presente para Somincor (e para todas as empresas e comunidades do mundo) é mesmo superar a pandemia da Covid-19, que também afectou a operação em Neves-Corvo.
"À semelhança de muitas empresas e de instituições nacionais, a Somincor está a ser impactada com esta pandemia", admite Kenneth Norris, garantindo que a empresa, consciente do seu "conjunto de valores para com os trabalhadores, as comunidades locais e o país", desenvolveu, desde o início da pandemia, "o seu plano de contingência contendo um amplo conjunto de medidas de reforço da sua cultura de segurança, higiene e saúde, orientadas para a salvaguarda de quem trabalha na mina e na comunidade", enquanto ajustou a "operação para assegurar a continuidade do negócio".
"Mantivemos o compromisso com a região e o país, sustentando um nível de actividade em que procuramos compatibilizar a segurança, as medidas preventivas de combate à propagação da Covid-19 com a preservação dos rendimentos familiares e das dinâmicas económicas locais, regionais e nacionais", assegura o administrador-delegado da empresa.
Kenneth Norris acrescenta que, "com os dados disponíveis", foi possível manter "a determinação em continuar a corresponder aos diversos desafios e aos compromissos com os trabalhadores, com a região e com o país, num quadro de grande exigência nacional e internacional". "Mantemos o foco em responder ao desafio de saúde pública como a principal prioridade e ser parte activa do esforço de recuperação após a pandemia", conclui.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 16/10/2020
Alentejo 2020 com proposta
de reforço de verbas para
saúde e equipamentos sociais
O programa operacional regional Alentejo 2020 propôs um reforço, num montante de 14,9 milhões de euros, para as prioridades de investimento nas áreas da Saúde e dos equipamentos sociais, revela fonte oficial da CCDR do Alentejo.
07h00 - quarta, 14/10/2020
Portugal recebe
mais dinheiro na
transição da PAC
Portugal vai receber mais 359 milhões de euros para reforço do FEADER durante transição da PAC, no âmbito do Fundo de Recuperação para o sector agrícola nos anos de 2021 e 2022.
07h00 - quinta, 08/10/2020
Alentejo à conquista
do mercado muçulmano
A conquista de mais turistas muçulmanos para o Alentejo e Andaluzia (Espanha) e a abertura de "nichos de mercado" para produtos agro-alimentares das duas regiões é o objectivo do projecto transfronteiriço "Mercado Halal", a decorrer até 2022.
07h00 - quinta, 24/09/2020
IN Castro apoia
criação de 22 novos
postos de trabalho
O IN Castro-Centro de Ideias e Negócios de Castro Verde, dinamizado pela Câmara Municipal local, instruiu na íntegra um total de 16 candidaturas de empresas ao programa "+CO3SO-Emprego Interior", cuja aprovação permitirá a criação de 22 novos postos de trabalho no concelho e a concretização de um investimento global de 1265490,66 euros.
07h00 - sexta, 18/09/2020
Programa de Apoio ao
Investimento da Diáspora
apresentado em Beja
O Governo ambiciona aumentar o volume de investimento realizado pela diáspora em Portugal, nomeadamente nos territórios do interior ou de baixa densidade populacional, garantiu em Beja, nesta quinta-feira, 17, a secretária de Estado das Comunidades Portuguesas.

Data: 23/10/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial