07h00 - segunda, 18/05/2020

Restaurante em Aljustrel: "É difícil, mas vamos ter de nos adaptar"

Restaurante em Aljustrel: "É difícil, mas vamos ter de nos adaptar"

O dia-a-dia da churrasqueira "O Fogareiro", em Aljustrel, era um frenesim, com dezenas de refeições servidas ao almoço e jantar. A pandemia veio mudar este cenário, mas volvidos dois meses o restaurante prepara-se para, durante a próxima semana, voltar a receber clientes às suas mesas (que serão muito menos que as habituais).
"Vamos ter de nos adaptar, pelo menos até que haja mais confiança entre as pessoas. Mas ninguém sabe como vai ser" o futuro, diz ao "CA" Carlos Valente, 53 anos, que gere "O Fogareiro" com a esposa, Laura, há 17 anos.
Assim que a Covid-19 chegou ao país e foi determinado o encerramento dos restaurantes, "O Fogareiro" fechou portas. As férias de duas semanas previstas para a época da Páscoa foram antecipadas e depois as cinco funcionárias entraram em regime de lay-off. Ficaram os proprietários, que no início de Abril passaram a servir apenas refeições take-away. "Já o fazíamos, mas era sempre um complemento em relação ao restaurante", revela Carlos Valente.
Agora chegou a vez de reabrir portas, mas as incertezas são mais que muitas. "Não sei como é que vai ser… Tudo vai depender da confiança das pessoas. Acho que vai sempre haver uma quebra enorme, principalmente porque as pessoas não circulam", sustenta Carlos Valente, que ainda assim não desanima. "Vai ser difícil [a recuperação]. Mas tem que se começar a dar uma abertura, senão passamos a vida inteira nisto".
Para a reabertura (que não será logo na segunda-feira) de "O Fogareiro" os preparativos são mais que muitos. "Estamos à espera dos produtos para higienizar o restaurante, vamos comprar acrílicos para dividir algumas mesas, que vamos colocar de forma a terem, pelo menos, dois metros de distância entre si", conta.
Da equipa de trabalho regressam três das cinco funcionárias (as restantes duas manter-se-ão em lay-off) e também a forma de servir será bastante diferente. "Vai-se perder muito tempo com todas as coisas que se exige. E vamos ter de servir menos! Ora muitas vezes os restaurantes cheios não dão eles lucro, quanto mais com um terço da lotação… É difícil! Mas vamos ter de nos adaptar", conclui Carlos Valente.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 26/05/2020
Alentejo 2020 tem a maior
taxa de compromisso nacional
O Alentejo 2020 fechou o ano de 2019 com uma taxa de execução financeira na ordem dos 27%, a maior entre todos os programas operacionais regionais de Portugal.
07h00 - terça, 26/05/2020
Freguesia de S. Luís
com falta de médicos
A Junta de Freguesia de São Luís, no concelho de Odemira, está indignada pela falta de profissionais de saúde na Extensão de Saúde local, sendo que de momento a freguesia não conta com médico, enfermeiros ou sequer serviços administrativos.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Aljustrel retoma
mercados mensais
A Câmara de Aljustrel decidiu retomar a realização de mercados mensais no Parque de Feiras e Exposições da "vila mineira", ainda que mediante o cumprimento de novas regras devido à pandemia de Covid-19.
07h00 - segunda, 25/05/2020
Câmara de Almodôvar aprova
apoios às empresas do concelho
A Câmara de Almodôvar aprovou na passada semana, em reunião do executivo, um lote de candidaturas, no valor aproximado de 29591 euros, no âmbito do Programa de Apoio ao Tecido Empresarial (PATECA).
07h00 - segunda, 25/05/2020
Odemira recebeu
vigília pelas artes
A vila de Odemira foi um dos "palcos", na passada quinta-feira, 21, da vigília pelas artes e cultura em Portugal, numa iniciativa da qual acabou por nascer a Plataforma Cultura e Artes Odemira, que junta diversos artistas residentes no concelho.

Data: 15/05/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial