07h00 - segunda, 18/05/2020

Restaurante em Aljustrel: "É difícil, mas vamos ter de nos adaptar"

Restaurante em Aljustrel: "É difícil, mas vamos ter de nos adaptar"

O dia-a-dia da churrasqueira "O Fogareiro", em Aljustrel, era um frenesim, com dezenas de refeições servidas ao almoço e jantar. A pandemia veio mudar este cenário, mas volvidos dois meses o restaurante prepara-se para, durante a próxima semana, voltar a receber clientes às suas mesas (que serão muito menos que as habituais).
"Vamos ter de nos adaptar, pelo menos até que haja mais confiança entre as pessoas. Mas ninguém sabe como vai ser" o futuro, diz ao "CA" Carlos Valente, 53 anos, que gere "O Fogareiro" com a esposa, Laura, há 17 anos.
Assim que a Covid-19 chegou ao país e foi determinado o encerramento dos restaurantes, "O Fogareiro" fechou portas. As férias de duas semanas previstas para a época da Páscoa foram antecipadas e depois as cinco funcionárias entraram em regime de lay-off. Ficaram os proprietários, que no início de Abril passaram a servir apenas refeições take-away. "Já o fazíamos, mas era sempre um complemento em relação ao restaurante", revela Carlos Valente.
Agora chegou a vez de reabrir portas, mas as incertezas são mais que muitas. "Não sei como é que vai ser… Tudo vai depender da confiança das pessoas. Acho que vai sempre haver uma quebra enorme, principalmente porque as pessoas não circulam", sustenta Carlos Valente, que ainda assim não desanima. "Vai ser difícil [a recuperação]. Mas tem que se começar a dar uma abertura, senão passamos a vida inteira nisto".
Para a reabertura (que não será logo na segunda-feira) de "O Fogareiro" os preparativos são mais que muitos. "Estamos à espera dos produtos para higienizar o restaurante, vamos comprar acrílicos para dividir algumas mesas, que vamos colocar de forma a terem, pelo menos, dois metros de distância entre si", conta.
Da equipa de trabalho regressam três das cinco funcionárias (as restantes duas manter-se-ão em lay-off) e também a forma de servir será bastante diferente. "Vai-se perder muito tempo com todas as coisas que se exige. E vamos ter de servir menos! Ora muitas vezes os restaurantes cheios não dão eles lucro, quanto mais com um terço da lotação… É difícil! Mas vamos ter de nos adaptar", conclui Carlos Valente.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
22h13 - sexta, 10/07/2020
Covid-19: Testes negativos a
trabalhadores da Somincor
Os trabalhadores da Somincor, empresa mineira de Neves-Corvo, testados nesta quinta-feira, 9, ao coronavírus Covid-19 tiveram resultado negativo, adianta a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Criminalidade diminuiu no distrito de Beja em 2019
O distrito de Beja é o quinto mais seguro em todo o país, tendo registado um decréscimo na criminalidade geral em 2019.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Programa de apoio à
cultura esgotado em Beja
A cidade de Beja vai receber, nos próximos meses, três exposições, cinco sessões de contos, quatro sessões de teatro e marionetas e 11 espectáculos musicais, fruto das candidaturas apresentadas ao Programa Municipal de Apoio à Cultura (PEAC).
07h00 - sexta, 10/07/2020
Diocese de Beja assinala
250 anos da sua restauração
A 10 de Julho de 1770 foi restaurada, pelo Papa Clemente XIV, a Diocese de Beja, data assinalada 250 anos depois neste fim-de-semana, 10 a 12, com diversas iniciativas de cariz religioso.
07h00 - sexta, 10/07/2020
Um caso de Covid-19
identificado em Neves-Corvo
Um trabalhador da Somincor residente no concelho de Almodôvar foi identificado como estando infectado com Covid-19, adiantaram nesta quinta-feira, 9, a Câmara Municipal e o Serviço Municipal de Protecção Civil de Castro Verde.

Data: 10/07/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial