07h00 - domingo, 15/12/2019

Programa "Património"
celebra 30 anos de emissões

Programa "Património" celebra 30 anos de emissões

Foi em 1989 que a "roda de amigos" se juntou pela primeira vez em torno da cultura e das tradições locais das terras do Campo Branco. Aos poucos os serões de quinta-feira começaram ser preenchidos por modas, mas também pelos acordes da viola campaniça, pelos versos desafiantes do cante ao despique e baldão, pela melodia das concertinas ou pelas rimas de poetas populares. Tudo no "éter" da Rádio Castrense (Castro Verde) e transmitido para milhares de pessoas: primeiro apenas na região, agora para todo o mundo. Assim se construiu a história do "Património", um dos mais antigos programas de rádio do país e que celebra 30 anos de vida em prol do que é mais genuíno no Alentejo.
"O 'sucesso' do programa, que os próprios ouvintes se habituaram a chamar de 'a grande roda de amigos', teve a ver, do meu ponto de vista, com a sua natureza e forma. Um espaço, onde durante horas, se voltava a falar e a ouvirem sons de tradições já esquecidas", reconhece ao "CA" José Francisco Colaço Guerreiro, que os ouvintes tratam carinhosamente por "Senhor Doutor" e que é o autor de todos os programas "Património" emitidos ao longo destas três décadas.
Para Colaço Guerreiro, estes 30 anos de "Património" são, sobretudo, sinónimo "da clarividência tida, no momento da abertura da Rádio Castrense, para se poder aproveitar a potencialidade de comunicação criada, no sentido de divulgar, enaltecer e salvaguardar o nosso património imaterial". "Deste propósito derivou o próprio nome do programa, que desde logo idealizámos e começámos a realizar, com todo o afinco, na certeza de assim irmos colaborar para o fortalecimento da nossa identidade cultural", reforça.
Segundo o autor, o programa "Património" começou então "a investigar, tratar e divulgar os nossos valores culturais mais autênticos e a enaltecer a nossa forma de ser e de estar, no sentido de passarmos a gostar cada vez mais daquilo que é nosso, ao invés do que era a prática corrente, iniciando um percurso de constante remar contra a maré".
Os primeiros tempos, recorda, eram bastante distintos dos actuais. "Numa primeira fase, e porque os nossos estúdios, precários e improvisados, não permitiam a presença de convidados, andava de monte em monte, de lugar em lugar, de gravador ligado à procura de gente sabedora de histórias, adivinhações, poesias, cantos e cantes, toques de instrumentos vários e outros modos culturais já perdidos do presente", lembra.
Foi assim que o "Património" (e Colaço Guerreiro) resgataram do esquecimento os cantos ao baldão e ao despique e "descobriram" os tocadores de viola campaniça Francisco António e Manuel Bento. "Logo depois, dentro do âmbito das actividades da Cortiçol, com eles devolvemos a vida à viola campaniça e ao canto a ela associado", nota.
Enquanto o tempo seguia o seu curso, o programa foi ganhando "corpo" (e ouvintes). As emissões do "Património" também passaram a ser em directo e com a participação do público.
"Esse foi outro marco decisivo na vida do programa, pois para além da dinamização cultural, passámos e propiciar relações de afectividade e sentimentos de auto-estima aos nossos ouvintes, que das brenhas mais recônditas e da maior solidão, entravam semanalmente com a maior dignidade e merecimento no 'palco' da rádio. Passaram a intervir, a cantar, a tocar, a falar simplesmente de si, do tempo ou da vida. Fizeram-se amizades radiofónicas e estabeleceram-se laços de simpatia, somente por efeito do timbre da voz e do teor das conversas", recorda Colaço Guerreiro, para logo acrescentar: "Tem sido esta rede de valores e de afectos que tem garantido a continuidade do 'Património' com uma vitalidade constante".
Hoje o "Património" é completamente diferente do que era há 30 anos, ainda que mantendo a sua genuinidade. Por lá continuam a passar cantadores, tocadores e poetas, mas emissões já são também transmitidas pelo Facebook, com todo o mundo a poder ver em directo aqueles que passam pelo estúdio da Castrense. Quanto ao futuro, os desafios são mais que muitos!
"O grande desafio que temos é conseguirmos ser mentores e animadores de um programa que, sendo popular, não queremos que seja popularucho. Não podemos deixar de afinar o nosso critério pela matriz do rigor e da verdade da nossa etnomusicologia, por exemplo, fazendo sempre a destrinça entre aquilo que é a genuinidade do cante e o que são os novos cantares", observa Colaço Guerreiro, que conclui: "Diria que o nosso empobrecimento cultural é o maior adversário da diversidade e qualidade dos programas vindouros e isso preocupa-nos".
Os 30 anos do programa "Património" são assinalados a partir das 15h00 deste domingo, 15, na Escola Secundária de Castro Verde, com uma festa com entradas livres e onde não faltará animação e cultura popular.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - terça, 21/01/2020
Exposição de fotografia
na cidade de Beja
O Largo da Conceição, junto ao Museu Regional de Beja, recebe a partir desta terça-feira, 21 de Janeiro, a exposição de fotografia itinerante "Terra de Sonhos", de Cristina García Rodero".
08h00 - sábado, 18/01/2020
Aljustrel recebe mostra
do CAC Artur Bual
O Espaço Oficinas, em Aljustrel, recebe a partir deste sábado, 18 de Janeiro, uma exposição colectiva comemorativa do 20º aniversário do Círculo Artístico e Cultural (CAC) Artur Bual.
09h00 - sábado, 11/01/2020
Odemira recebe
"Concerto de Reis"
A Igreja de São Salvador, em Odemira, recebe neste sábado, 11 de Janeiro, pelas 21h00, o tradicional "Concerto de Reis", desta feita com a actuação do Coro do Carmo de Beja.
07h00 - sábado, 11/01/2020
Cante e petiscos
na Ribeira do Salto
O Café Miguel, no sítio da Ribeira do Salto (freguesia de Relíquias, concelho de Odemira), recebe no próximo sábado, 11 de Janeiro, mais uma "etapa" do roteiro "Sonoridades & Sabores".
07h00 - sexta, 10/01/2020
Odemira promove
banda desenhada
Afirmar Odemira como um dos principais centros de desenvolvimento da banda desenhada na região é um dos objectivos da 14ª edição da BDTECA-Mostra de Banda Desenhada de Odemira, que vai decorrer entre os meses de Janeiro e Março na Biblioteca Municipal José Saramago.

Data: 24/01/2020
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial