07h00 - quinta, 31/10/2019

Fundos Comunitários: demografia
e água são prioridades no Alentejo

Fundos Comunitários: demografia e água são prioridades no Alentejo

A demografia e a mitigação das alterações climáticas (associada à questão da utilização e poupança de água) são dois dos grandes desafios que se colocam no curto e médio-prazo ao Alentejo. Desafios que já estão elencados entre as áreas prioritárias daquele que será o novo plano de acção regional (PAR), cuja fase de planeamento deve estar concluída no final do primeiro semestre de 2020 e que irá dar origem ao sucessor do programa Alentejo 2020.
Em declarações ao "CA", Hélder Guerreiro, vogal-executivo da Autoridade de Gestão do Alentejo 2020, revela que, para já, é prematuro antever o que se poderá esperar do novo quadro comunitário de apoio (QCA), sendo apenas certo que o Alentejo "permanecerá num perfil de região de coesão e, portanto, continuará a precisar dos fundos estruturais".
"Não temos a expectativa de diminuição daquilo que é o recurso financeiro para o Alentejo", reforça Hélder Guerreiro, revelando que a fase de planeamento do PAR permitiu a definição de "seis grandes desafios". "São seis desafios centrais e que agora vamos discutir. Primeiro em cinco sessões, uma em cada sub-região. E depois desafiando a sociedade civil, para aprofundarmos e discutirmos esses desafios de uma forma mais 'fina'", anuncia.
De acordo com o gestor do Alentejo 2020, o "desafio dos desafios" tem que ver com a sustentabilidade do território, associado à adaptação às alterações climáticas. "É um desafio mundial ao qual o Alentejo não escapa. Diria mesmo que seremos sempre um primeiro 'laboratório' de experimentação, inovação e trabalho nesta matéria", frisa Hélder Guerreiro, acrescentando: "Queremos que no próximo QCA a água seja o 'desafio central'. Vamos até tentar que este elemento 'água' possa ser tratado de forma transversal em relação a tudo e aos seis desafios".
À questão da água, continua Hélder Guerreiro, junta-se a demografia e a necessidade de o Alentejo ter mais população (e população mais jovem). "Sabemos que neste momento a idade média da população e os fluxos de saída e entrada não nos permitem pensar que invertemos a tendência demográfica apenas com a população que cá temos. Portanto, temos de encontrar formas de atrair outras pessoas para cá", advoga.
A par disto, será prioritária a definição de "melhores modelos de coordenação e trabalho colectivo" e o "alargamento da base de competitividade" regional. "Temos trabalhado muito com base em áreas que são tradicionais e temos agora algumas emergentes, caso da aeronáutica. Mas é preciso ancorar as grandes empresas que existem no território com competências. E temos de ser capazes de apostar nas nossas cadeias de valor em produtos tradicionais, nomeadamente ao nível do minério, dos mármores e do agro-alimentar", vinca Hélder Guerreiro.
O desenvolvimento do Sistema Regional de Inovação e Transferência de Tecnologia e as questões ligadas à mobilidade e conectividade das cidades, vilas e concelhos são outros dos desafios identificados para o próximo pacote de fundos comunitários. "Queremos trabalhar a questão da ligação e da coesão física. Por exemplo, como é que num território de baixa densidade como o nosso os serviços de interesse geral devem ser disponibilizados a todos? É preciso olharmos em concreto para o território e percebermos como é pode ser essa oferta de serviços de interesse geral à população, ou seja, serviços ligados à Educação, Saúde, Justiça ou Finanças", sublinha.

Haverá dinheiro
para estradas?

Sendo a mobilidade uma das prioridades definidas na construção daquele que será o próximo programa operacional regional, a questão impõe-se: será que, ao contrário do que sucede(u) com o actual Alentejo 2020, haverá fundos comunitários para a requalificação de vias rodoviárias e ferroviárias?
"Isso ainda não está definido, mas por princípio não serão os programas operacionais regionais a financiar estradas, ferrovias ou aeroportos. Provavelmente será um programa operacional temático nacional, que terá por base o Plano Nacional de Investimentos, que é o que tem estado a ser discutido. E sempre dissemos que eram muito importante que os municípios fossem capazes de reivindicar o que viesse a estar nesse plano", explica Hélder Guerreiro.
Ainda assim, o gestor admite que há "alguma expectativa" de que possa haver, a nível do futuro programa operacional regional, "mais possibilidades de investimento em infra-estruturas [rodoviárias e ferroviárias] neste futuro quadro do que tivemos neste". "Por princípio, o desenho que queremos fazer [no âmbito do PAR] é que possa conter uma malha 'mais fina'. Ou seja, definir ao nível da região quais são as grandes necessidades do ponto de vista da conectividade e da mobilidade", conclui.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
10h00 - sábado, 16/11/2019
Odemira e Aljezur
contestam novas
regras no PR Mira
As câmaras municipais de Odemira e de Aljezur assumiram uma posição conjunta relativamente ao novo regime especial transitório relativo ao Perímetro de Rega do Mira, aprovado pelo Conselho de Ministros e já em vigor.
07h00 - quarta, 13/11/2019
PCP defende
reabertura do ramal
ferroviário de Aljustrel
O PCP pretende saber se o Governo está disponível para implementar um plano de reactivação do ramal ferroviário de Aljustrel, tendo em vista a actividade mineira no concelho.
07h00 - sexta, 08/11/2019
Empreendedorismo
jovem promovido
em Castro Verde
O InCastro-Centro de Ideias e Negócios de Castro Verde recebe nesta sexta-feira, 8, um workshop sobre empreendedorismo jovem, dinamizado no âmbito do projecto "GROW UP-Aprender a Empreender".
07h00 - segunda, 04/11/2019
José Duarte Albino: médico, gestor e muito mais!
Apesar de ter passado 55 anos como presidente da Caixa Agrícola de Aljustrel e Almodôvar, José Duarte Albino só foi gestor executivo a tempo inteiro no banco a partir de 2004.
07h00 - segunda, 04/11/2019
José Duarte Albino
liderou Caixa de Aljustrel
durante 55 anos
Foi num final de tarde quente no passado mês de Julho que José Duarte Albino, de 92 anos, se despediu da presidência da administração da Caixa Agrícola de Aljustrel e Almodôvar.

Data: 08/11/2019
Edição n.º:

Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial