07h00 - sexta, 15/03/2019

Almina: Coordenador explica
objectivos da Comissão Ambiental

Almina: Coordenador explica objectivos da Comissão Ambiental

O professor universitário José Manuel Palma é o coordenador da nova Comissão de Acompanhamento Ambiental (CAA) da Almina, empresa responsável pela concessão das minas de Aljustrel, que já está a trabalhar. Apresentada recentemente, a comissão conta com a participação de 12 entidades locais e regionais, pretendendo ser "um fórum de partilha" e "o local privilegiado para uma relação contínua da empresa com a sociedade envolvente". Em entrevista ao "CA", José Manuel Palma assegura que na CAA vai imperar a "transparência e independência".

Qual o grande objectivo da Comissão de Acompanhamento Ambiental (CAA) da Almina?
Como sabe, existem impactos em toda a actividade industrial e a Almina causa impactos, porque Aljustrel está dentro da mina e a mina está dentro de Aljustrel. Portanto, é fundamental que esses impactos sejam absolutamente discutidos e clarificados. E, muitas vezes, aquilo que a Almina considera ser importante pode não coincidir necessariamente com aquilo que as pessoas consideram importante. Ora aquilo que é importante é que haja compreensão mútua e, provavelmente, até modificação. Porque haverá prioridades destes stakeholders que, provavelmente, não são as mesmas prioridades da Almina. Este é o primeiro objectivo!

Há mais?
Em segundo lugar, estas pessoas da CAA vão ter poder! Ou seja, as posições vão ser públicas e vai ter de haver um empenhamento da empresa em responder a estas questões e vice-versa. Terceira coisa, e extremamente importante: temos de melhorar e fazer estudos específicos, se necessário, para responder às preocupações da comunidade. E portanto, esta CAA vai ter de acompanhar todo o processo produtivo e ver quais são os problemas, para modificar aquilo que é preciso ser modificado. Há uma coisa que é muito importante: todas as pessoas aqui presentes, nomeadamente a empresa, estão a empenhar-se. E este tipo de escrutínio colectivo, aberto e transparente, é muito raro.

Esta Comissão vai ser uma espécie de "provedora" da população relativamente à Almina?
Um bocado… O que queremos é ajudar a Almina a perceber o que é importante, para que esta Comissão e a população percebam os impactos. O que acontece é que muitas vezes existe um 'diálogo de surdos'. E esta CAA pretende que não exista um 'diálogo de surdos', mas sim que exista diálogo. Isso é muito importante! Por isso vamos ter, no mínimo, três ou quatro reuniões anuais. E fica já a saber que este ano vai haver um Estudo de Impacte Ambiental (EIA) e que novos projectos que vão ser apresentados em primeira mão à CAA. Esta é a entidade prioritária para a Almina em termos de relação com a comunidade.

Que acções concretas estão previstas? Falou de um EIA…
Vai haver esse EIA, que será uma das primeiras coisas que esta Comissão vai discutir. E quando houver novos projectos [na mina], os primeiros a saber serão os elementos desta CAA.

Ou seja, esta CAA não será um "verbo de encher", estará sempre a par daquilo que a empresa esteja a fazer ou a planear?
A ideia é que esta CAA não seja um "verbo de encher". Se assim fosse, eu não estava cá! Só dou o meu nome e o meu empenhamento a este tipo de processos se não for para encher. Porque para encher basta fazermos uns comunicados à imprensa… Isso sim é para encher!

Voltando ao EIA, este parte da empresa ou é já uma exigência da CAA?
Parte da empresa, porque tem de ser feito legalmente. A questão é que vamos apresentar questões e sugestões antes.

Pode dar a garantia aos aljustrelenses que esta CAA será marcada pela independência e transparência?
Será completamente independente e transparente! Se não fosse assim, não estava cá. Aliás, serei o primeiro responsável se ela não for assim. E se não for assim, vou embora.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
13h24 - quarta, 17/04/2019
Distrito de Beja: já falta combustível em 49 postos
São já 49 os postos de abastecimento de combustível no distrito de Beja onde falta gasóleo ou gasolina, na sequência da greve dos motoristas de transportes de matérias perigosas, iniciada na segunda-feira, 15.
07h00 - terça, 16/04/2019
ESAN tem quatro licenças
de prospecção no Alentejo
Com mais de 40 anos de história e "raízes" na indústria cerâmica, a empresa turca da ESAN Eczacibasi entrou no mercado dos minerais metálicos em 2009 e está em Portugal desde 2016.
07h00 - sexta, 12/04/2019
Turcos procuram minério junto a Neves-Corvo
Os turcos da ESAN Eczacibasi contam avançar em breve com os trabalhos de prospecção mineira numa área denominada "Rosário", que fica no alinhamento da área de Neves-Corvo, em plena Faixa Piritosa Ibérica.
07h00 - terça, 09/04/2019
Vale de Atum (Beja) já tem plano de pormenor
Já foi publicado em Diário da República o plano de pormenor de Vale de Atum, na cidade de Beja, área que se localiza junto ao IP2, entre a rotunda de Aljustrel e a rotunda sul, próxima do Regimento de Infantaria 1.
07h00 - sexta, 05/04/2019
Vinhos do Alentejo
mostram-se em Lisboa
A Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVRA) promove nesta sexta-feira e sábado, 5 e 6 de Abril, a 11ª edição do evento "Vinhos do Alentejo em Lisboa", que vai decorrer no Centro Cultural de Belém.

Data: 19/04/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial