07h00 - sexta, 21/12/2018

"Projecto do zinco torna Somincor mais competitiva"

"Projecto do zinco torna Somincor mais competitiva"

O canadiano Kenneth Norris cumpre dentro dias um ano enquanto administrador-delegado da Somincor e em entrevista exclusiva ao "CA" fala sobre o presente e o futuro da empresa mineira de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, com o projecto de expansão do zinco à cabeça. O gestor diz mesmo que "no quadro do actual conhecimento, é possível desde já reconhecer que a actividade da Somincor tem potencial de prolongar a sua actividade para lá do prazo actual de vida da mina".

Começou há 30 anos a exploração mineira em Neves-Corvo. Que representa este momento para a Somincor?
Estes 30 anos são muito importantes para a Somincor, mas também para o seu accionista desde 2006, a Lundin Mining. Estes 30 anos de actividade mineira são sinónimo de bem-estar social, de qualidade de vida na região e de desenvolvimento. São também 30 anos que formaram uma empresa sólida e que, neste momento, está em transformação. Estamos a transitar para uma mina essencialmente de zinco, o que se tornará claro nos próximos anos. Em termos nacionais, somos também uma empresa importante. Tudo o que produzimos é exportado, pelo que estamos entre os principais exportadores do país.

Sente que, volvidos 30 anos, a Somincor é hoje uma referência no sector em termos mundiais?
A operação de Neves-Corvo está muito comprometida com as boas práticas e as tendências mais actuais do sector em todo o mundo. A segurança é um valor inquestionável para nós e todos os dias trabalhamos orientados para a meta de zero lesões, promovendo um ambiente seguro e uma cultura interna que integre comportamentos seguros como parte da sua identidade. Acresce que continuamente inovamos nos nossos procedimentos, nas tecnologias que utilizamos, contribuindo para a boa saúde e bem-estar dos nossos colaboradores e dando resposta ao nosso compromisso de respeito pelo ambiente e pela biodiversidade. Tal tem implícito o respeito pelas comunidades, pelas suas tradições e pelo seu território. Acreditamos que a Somincor tem criado condições para uma relação mais próxima com a comunidade. Não apenas em acções como o "Open House" ou os "Encontros com as Comunidades", como, aos poucos, procurando introduzir uma mudança no investimento social que fazemos, que está hoje muito focado em procurar oportunidades que promovam a diversificação económica da região associada à redução de dependência da actividade mineira, a agricultura sustentável, a educação ambiental e a protecção da biodiversidade da região, entre outras. Em 2018, a Somincor e a Fundação Lundin investiram cerca de 650 mil euros na comunidade, destacando-se o Curso de Empreendedorismo e Diversificação Económica em que o Audax/ ISCTE veio até Castro Verde formar empreendedores e pequenos empresários e o desenvolvimento de oportunidades de turismo de natureza na região do Baixo Alentejo.

O ano de 2019 promete ser marcante em Neves-Corvo com o projecto de expansão do zinco (ZEP). Estará tudo pronto nos timings previstos?
Sim, trata-se do maior investimento realizado na operação desde que esta iniciou a sua actividade. Está previsto que os trabalhos de construção estejam concluídos no início de 2020 e que os níveis de produção, em especial de zinco, comecem a aumentar em seguida. Estamos a falar de aumentar para mais do dobro a produção de zinco, ou seja, passar para cerca de 150 mil toneladas/ ano.

Anunciou recentemente que o investimento no ZEP passou dos 260 para os 270 milhões de euros. Porquê?
Foi uma actualização feita em Outubro. Na última semana de Novembro, a Lundin Mining publicou uma nova actualização para 320 milhões de euros. Este facto mostra a importância que o ZEP tem para a Somincor e para a Lundin Mining. Foi, sobretudo, uma performance mais frágil de construção face ao planeado, tanto no fundo como à superfície, que levou à extensão do prazo para a total conclusão de todos os aspectos do projecto. Estamos confiantes que as instalações de superfície e o desenvolvimento de fundo estarão completos e com a produção a aumentar no primeiro trimestre de 2020, com os valores globais de crescimento alcançados no fim desse ano.

Que impacto vai este projecto ter na Somincor (e, consequentemente, na região)?
A Somincor vai conseguir aumentar a produção e, muito importante, a sua produtividade, tornando-se mais competitiva internacionalmente. Enquanto decorrem os trabalhos de construção, o que é já visível, são criados postos de trabalho (em média 350, podendo pontualmente chegar aos 600). A Somincor, num contexto em que exporta toda a sua produção, tem de garantir que se mantém competitiva no mercado internacional. Este factor é essencial para que se mantenha como um agente económico importante em Portugal, e particularmente nesta região, contribuindo para o bem-estar e o desenvolvimento dos cinco municípios mais próximos da sua operação.

No âmbito do projecto ZEP, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) solicitou à Somincor um estudo de viabilidade do prolongamento da vida útil da mina. Apesar de ainda estarmos em 2018, já há dados concretos sobre esta questão?
Importa esclarecer que o Projecto de Expansão do Zinco é um investimento na melhoria de infra-estruturas à superfície e no fundo da mina e não um trabalho de prospecção e pesquisa em si. Por isso, temos afirmado que não é este projecto que pode fazer alterar a vida útil da mina. Em paralelo a este projecto, a Somincor tem uma grande dinâmica nas actividades de avaliação e reconhecimento das reservas disponíveis na sua área de concessão. No quadro do actual conhecimento, é possível desde já reconhecer que a actividade da Somincor tem potencial de prolongar a sua actividade para lá do prazo actual de vida da mina. No entanto, o estudo de viabilidade que se encontra em preparação para responder a esta solicitação da APA irá concretizar de forma mais rigorosa o potencial prolongamento da vida da mina.

A par do ZEP, a Somincor pode, até 2023, fazer prospeção e pesquisa de minério nesta zona. Quais as vossas expectativas?
Sim, esse é, como acabo de explicar, um dos focos do nosso investimento além do ZEP. Em Junho deste ano a Somincor assinou um contrato com o Estado português que lhe permite realizar, potencialmente até 2023, trabalhos de prospecção e pesquisa de depósitos minerais que possam constituir fontes de cobre, zinco e chumbo numa área de 141 Km2 ao redor da actual zona de concessão mineira de Neves-Corvo. Só com este tipo de investimento, com o qual a Somincor está totalmente comprometida, poderão vir a ser encontrados novos depósitos de minério que, face à avaliação das reservas, poderão permitir o alargamento da vida da mina além do que actualmente se prevê.

O final de 2017 e início de 2018 ficaram marcados pela tensão laboral em Neves-Corvo. Essa situação está ultrapassada?
Presentemente temos um ambiente positivo. Para tal, penso que uma comunicação aberta com os nossos colaboradores, que trimestralmente se reúnem com a administração, foi um bom contributo. Os desafios de uma organização que emprega mais de 1.200 trabalhadores directos e mais de 1.000 indiretos são permanentes, mas é reconhecida pelos nossos trabalhadores a extrema relevância social da Somincor.

A Somincor fechou o exercício de 2017 com um resultado acima do obtido em 2016, ainda que a produção tenha diminuído. Quais são as previsões para este ano, que está a terminar?
O que podemos enfatizar é que, após os números registados nos primeiros três trimestres deste ano, revimos em alta as nossas previsões relativamente à produção de cobre e de zinco, passando no primeiro caso para entre 74 mil e 76 mil toneladas e, no caso do zinco, para entre 43 mil e 45 mil toneladas.

Revelou recentemente que a Somincor está a estudar a possibilidade de vir a trabalhar com escolas profissionais da região. Que ideia é esta? O que se pretende com a mesma?
É ainda uma ideia conceptual e é prematuro discuti-la neste momento. Estamos a tentar determinar se e como o poderíamos fazer. Essa resposta foi dada no contexto dos desafios que se colocam à Somincor por estar no interior. O nosso grande desafio é continuar a atrair bons profissionais para a empresa, quadros qualificados. Paralelamente, estamos comprometidos com a contratação local e isso pode tornar-se desafiante, na medida em que necessitamos de conhecimentos especializados e técnicos que, por vezes, são difíceis de encontrar na região. Neste quadro, a importância de potenciais parcerias com instituições de ensino locais é importante. A disponibilidade de formação profissional e técnica é importante. Em simultâneo, queremos trazer mulheres para a nossa força de trabalho, também ao nível operacional. A nossa intenção é que, dentro de quatro anos, 20% da nossa força de trabalho seja composta por mulheres.

Em 2018 a empresa dinamizou um Curso de Empreendedorismo e Diversificação Económica. Esta preocupação com a dinamização da economia local vai manter-se em 2019?
Este é um projecto desenvolvido em parceria com a Fundação Lundin no âmbito da diversificação económica na região. A formação é uma das mais importantes contribuições que podemos dar para atingir esse objectivo. A nossa intenção foi permitir que empreendedores tivessem acesso a formação superior em Castro Verde, orientada por uma instituição de referência nacional como o Audax/ ISCTE, que permitisse redefinir os modelos de gestão das suas empresas ou as suas ideias de negócio, melhorá-los e torná-los sólidos e auto-suficientes. Indubitavelmente, esta é uma contribuição para o desenvolvimento do território e para a fixação de pessoas na região. As mais-valias deste tipo de iniciativa foram claramente identificadas pelos participantes no curso, o que muito nos satisfaz. Os participantes na primeira edição já foram informados de que poderão aceder gratuitamente à Fase II deste programa, que dará resposta ao que os próprios referiram como necessidades: módulos de mentoria, em que possam ter um apoio dedicado no desenvolvimento dos seus planos de negócio e, por outro lado, formação no acesso e concurso a fundos disponíveis a nível nacional e internacional. Uma nova edição, com novos participantes, está a ser desenvolvida com ajustes em relação à primeira. Prevemos continuar a trabalhar com a Fundação Lundin e com outros parceiros neste tipo de projectos em 2019.

Quando serão conhecidas as conclusões sobre o estudo relativo ao impacto da empresa na região? Qual a vossa expectativa sobre o mesmo?
Esperamos ter os resultados finais durante o primeiro trimestre de 2019 e partilhar as conclusões principais nos "Encontros com a Comunidade" e noutras oportunidades de comunicação ao longo do ano.

Cumpridos 30 anos, qual o maior desafio que a Somincor tem pela frente?
Cumpridos 30 anos, o país e o mundo estão muito diferentes. É preciso que continuemos a ser competitivos. Assegurar esta competitividade é o desafio que temos pela frente, e isso implica concentrarmo-nos em ser uma operação de excelência, com bons níveis de segurança dos nossos colaboradores, orientada para a sustentabilidade ambiental das suas práticas e para o respeito das comunidades, além de garantir níveis de produção que cumpram as expectativas do investimento do nosso accionista.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 11/01/2019
Aljustrel investe em novas áreas empresariais
A Câmara de Aljustrel vai investir quase cinco milhões de euros em quatro novas áreas empresariais, num investimento total de quase cinco milhões de euros, que tem comparticipação comunitária, através do programa Alentejo 2020, na ordem dos 4,2 milhões de euros.
07h00 - quinta, 10/01/2019
Baixo Alentejo
recebe 6 milhões
para coesão social
São mais de seis milhões de euros para os municípios do Baixo Alentejo dinamizarem, nos próximos três anos, novos projectos de coesão social para mitigar problemas como o desemprego, a pobreza e o envelhecimento.
07h00 - segunda, 31/12/2018
CM Almodôvar contra
fecho de balcão do BCP
A Câmara de Almodôvar contesta o encerramento, no início de 2019, do balcão local do banco Millennium BCP, considerando que esta decisão "não é do interesse municipal e não serve os interesses da população de Almodôvar".
07h00 - quinta, 27/12/2018
Roubos de azeitona
aumentam no Alentejo
A Olivum-Associação de Olivicultores do Sul, com sede em Beja, está preocupada com o aumento de roubos de azeitona no Alentejo e pede às autoridades policiais um aumento da fiscalização em postos de recepção.
07h00 - segunda, 24/12/2018
Cinco milhões de investimento
avança no concelho de Aljustrel
O programa Alentejo 2020 aprovou no final Novembro financiamento comunitário a quatro projectos para novas áreas de acolhimento empresarial no concelho de Aljustrel.

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial