07h00 - sexta, 09/11/2018

"Ganhar a Taça é o
objectivo do Almodôvar"

"Ganhar a Taça é o objectivo do Almodôvar"

O Desportivo de Almodôvar continua a alimentar o desejo de conquistar a Taça do Distrito de Beja, ambição reiterada pelo técnico Sandro Almeida em entrevista ao "CA" desta sexta-feira, 9 de Novembro. "A Taça do Distrito é o nosso objectivo número um! Queremos tentar ganhar essa competição, pois já fomos a uma final há dois anos e perdemos", assume.

A que se propõe o Desportivo de Almodôvar em 2018-2019?
O que queremos é fazer um campeonato à luz do que fizemos nos últimos dois anos: um campeonato tranquilo, andar nos lugares cimeiros, tentar conquistar a Taça do Distrito de Beja – que é um troféu que nos falta – e, para já, chegar à final four da Taça de Honra. Também houve, da parte da Direcção, o pedido para que apostássemos ainda mais na formação. Hoje em dia fala-se muito na formação – veja-se os casos de Benfica, Sporting, FC Porto ou Sp. Braga – mas o Almodôvar já faz isso há muito tempo. E queremos continuar a apostar nos valores da nossa terra!

Disse que a equipa quer andar nos lugares cimeiros. Isso implica estar na "luta" pelo título ou essa possibilidade está fora de questão?
Nunca está fora de questão, mas estar nos lugares cimeiros é uma coisa completamente diferente de andar a lutar pelo título. Sabemos que neste campeonato há uma equipa fortíssima, que é o Mineiro Aljustrelense, que foi buscar jogadores para subir de divisão. Depois há o Almodôvar, que vai tentar contrariar esse favoritismo do Mineiro – o que não é fácil. Há ainda o Castrense, que é sempre um crónico candidato a ser campeão. E o Milfontes também anda sempre nos lugares cimeiros…

Ou seja, o Almodôvar quer estar na frente do campeonato – sem lutar pelo título – e, sobretudo, ganhar a Taça do Distrito?
A Taça do Distrito é o nosso objectivo número um! Queremos tentar ganhar essa competição, pois já fomos a uma final há dois anos e perdemos.

Temos um campeonato distrital com apenas 11 equipas. Isso é bom ou mau para o futebol do distrito de Beja?
Para mim é mau, porque retira um bocado de tempo de competição – daí se ter criado esta Taça de Honra. Mas creio que o futuro passará por termos no campeonato distrital com 12 equipas.

Porquê?
Porque senão vamos andar outra vez a correr atrás do mesmo. São 14 equipas, mas depois há equipas que sobem e não querem ir para a 1ª divisão por qualquer razão… Então acaba-se de vez com isso e faz-se um campeonato com 12 equipas. Por exemplo, aqui ao lado, no Algarve, que é um distrito grande e com muitos jogadores, só há 12 equipas na 1ª divisão. Porque é que o distrito de Beja, que é geograficamente muito grande mas tem pouca gente, tem 14 [equipas]?

Na sua opinião, um campeonato a 12 poderia favorecia a evolução do futebol no distrito? Por exemplo, há treinadores que reconhecem que com 11 equipas o campeonato é mais equilibrado, pois os jogadores estão mais concentrados…
Para mim haver um campeonato com 12 equipas era o ideal! Concentrava mais os jogadores, havia muito mais qualidade, mais espectáculo e mais gente no futebol.

O Sandro Almeida está ligado ao futebol distrital há décadas. Como é que encara o facto de hoje não haver campeonato distrital de juniores e de o novo campeonato de sub-23 só ter quatro equipas?
É preocupante, muito preocupante… Se recuarmos 30 anos, quando eu era jovem, havia dezenas de equipas de juvenis, mais 14 ou 16 equipas de juniores… Havia muitos jogadores e hoje em dia não é assim! Até pode haver até aos iniciados, mas a partir daí deixam de existir. Cada vez há menos jovens – e a desertificação do nosso Alentejo é bem patente – e depois há coisas que não haviam, como as redes sociais. Por isso, se formos ver, nos petizes, traquinas ou benjamins há muitas equipas. A partir dos iniciados é que é preocupante…

E como é que se resolve este problema?
É difícil, é difícil… Até porque a taxa de natalidade está muito fraca [risos]! Mas isto não se verifica só no nosso Alentejo. A nível nacional é um mal geral. Temos é de tentar trabalhar o melhor que se consegue com estes recursos. E vejo isto com preocupação tanto ao nível de jogadores como ao nível da arbitragem! Porque, segundo sei, cada vez há menos árbitros e isso também é muito preocupante.

Voltando ao Desportivo de Almodôvar, frisou que há muito que o clube aposta na formação. Nesse sentido, que futuro perspectiva para o clube?
Tendo em conta os anos anteriores estou tranquilo, porque vejo que podemos ir buscar jogadores às camadas jovens e formá-los para depois serem utilizados nos seniores. Vejo isto com agrado e acho que os outros clubes do distrito deviam seguir este exemplo, porque isto é o futuro. Porque com as dificuldades económicas que estamos a atravessar, não vejo outra maneira de actuar que não esta do Almodôvar.

Apostar na formação e ter equipas competitivas, mas sem a "loucura" de ter de subir?
Sim, pois temos de ter os pés bem assentes no chão. Estivemos no nacional, que foi uma experiência muito rica e onde tivemos uma participação digna. Mas se olharmos bem para os últimos anos, as equipas que subiram depois de nós desceram logo a seguir. Todas com orçamentos muito superiores aos que tínhamos! É giro e bonito andarmos no nacional, a equipa e o clube crescem, mas e depois? E o rombo financeiro que isso traz? Essas idas aos nacionais podem fazer com que o clube pague caro no futuro. Por isso temos de ser realistas e, cada vez mais, o Campeonato Nacional de Seniores é de uma exigência muito forte. Ir para essas divisões pode trazer muito graves preocupações a nível financeiro para qualquer clube do distrito de Beja. É a minha opinião, vale o que vale… Mas também friso: quem luta para subir, quem quer ser campeão, sabe de antemão que tem estar preparado para o que vai encontrar [nos nacionais].

Seguindo essa linha de raciocínio, e tendo em conta a realidade distrital, é cada vez mais utópico pensar em ter várias equipas em simultâneo nos nacionais?
É muito, muito difícil! Dou o exemplo do Moura AC: há muitos anos que está nesta divisão e não está sendo fácil nesta temporada. Moura é uma cidade, tem recursos e estar permanentemente naquela divisão cria raízes, mas também cria um desgaste financeiro muito grande. E não prevejo que uma equipa do nosso distrito esteja muitos anos nos nacionais. Infelizmente é assim, mas é a realidade!


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quarta, 23/01/2019
Delegação da Toyota
visita Castro Verde
Uma delegação da Toyota Europe e Toyota Japan vai estar em Castro Verde nesta quarta-feira, 23, no sentido de conhecer "os desafios e as boas práticas em territórios do interior", como é o caso deste concelho.
07h00 - quarta, 23/01/2019
Câmara de Beja apoia
Centro de Paralisia
A Câmara de Beja estabeleceu um protocolo com o Centro de Paralisia Cerebral de Beja que prevê a atribuição, por parte da autarquia, de um subsídio mensal de mil euros para garantir que crianças do concelho possam beneficiar da actividade de equitação terapêutica.
07h00 - terça, 22/01/2019
CM Castro Verde faz obras na
EB1 de Santa Bárbara de Padrões
Arrancaram no passado mês de Dezembro as obras de construção de uma antecâmara entre os dois edifícios da Escola Básica (EB) 1 de Santa Bárbara de Padrões, promovidas pela Câmara de Castro Verde.
07h00 - terça, 22/01/2019
Estrada entre Beringel e
Peroguarda requalificada
A Câmara de Beja inicia nesta terça-feira, 22 de Janeiro, os trabalhos de requalificação do Caminho Municipal (CM) 1029 entre Beringel e Peroguarda, no troço que se desenvolve no concelho.
07h00 - segunda, 21/01/2019
Conselho consultivo
da CAP reúne em Beja
O auditório da Expobeja, no Parque de Feiras de Exposições de Beja, recebe nesta segunda-feira, 21, durante a manhã, uma reunião do Conselho Consultivo do Alentejo da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

Data: 11/01/2019
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial