00h00 - sábado, 31/03/2018

Monte da Apariça
aposta na tranquilidade

Monte da Apariça aposta na tranquilidade

Situado a poucos quilómetros de São Marcos da Atabueira (Castro Verde), é no Monte da Apariça que muitos turistas nacionais e estrangeiros "acantonam" em busca de dias de tranquilidade ou de poderem observar alguma da avifauna local.
"Nesta fase do ano, muitos turistas vêm pelo birdwatching. Mas também temos casais com filhos que vêm para passar dias descansados e relaxar! E isso também acontece muito com os portugueses que vêm no Verão, que chegam para recarregar baterias. Aqui é mesmo para desligar", observa Alexandra Bobone, que juntamente com o marido Jorge gere a unidade turística do Monte da Apariça.
Tudo começou na Década de 90, quando Jorge Bobone começou a trabalhar os campos da herdade acabada de adquirir. "A parte agrícola foi desenrolando desde então e a parte do turismo surgiu mais tarde, quando deixámos de ter necessidade de uma casa para o caseiro. Arranjámos a casa e começaram a vir pessoas amigas, caçadores… Então fiz um projecto para diversificação da actividade na exploração agrícola e nasceu este projecto", lembra Jorge.
Foi em 2013 que começaram a chegar os primeiros turistas e desde então o negócio não tem parado de crescer. "Do primeiro para o segundo ano duplicámos a facturação, do segundo para o terceiro aumentámos mais 50%, e do terceiro para o quarto voltámos a duplicar a facturação", adianta Jorge Bobone, justificando estes números com o facto de o Monte da Apariça ficar "numa zona privilegiada" entre Castro Verde e o Parque Natural do Vale do Guadiana.
O Monte da Apariça tem capacidade para acolher quatro pessoas e duas crianças, mas de momento decorrem obras de ampliação para que no Verão possam ficar alojadas na unidade até oito adultos e quatro crianças em simultâneo. "As pessoas gostam de vir para aqui em família. Daí sentirmos esta necessidade de aumentarmos o espaço", explica Alexandra Bobone.
A par do turismo, o Monte da Apariça continua a ter actividade agro-pecuária, nomeadamente a produção de vacas mertolengas e de vacas mertolengas cruzadas com charolesas, assim como de cavalos puro-sangue árabe, além de cereais. Tudo sem a ajuda do Apoio Zonal, que na opinião de Jorge Bobone não são favoráveis a explorações como a sua.
"O Apoio Zonal tem condições que são vantajosas para quem tem áreas pequenas. Para quem tem áreas grandes não é, porque o recebimento anual não é proporcional e tem as mesmas condicionantes", justifica.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 21/09/2018
Preço da água sem aumentos no Roxo
A seca sentida na região em 2017 e início de 2018 levou a maiores aduções do Alqueva ao Roxo, sem que tal se tenha reflectido no preço cobrado pela Associação de Beneficiários do Roxo (ABR) aos regantes pelo fornecimento de água.
07h00 - sexta, 21/09/2018
Presidente da AB Roxo:
"Regadio vai ser grande
alternativa às minas"
A barragem do Roxo começou a regar os campos em seu redor há 50 anos e o presidente da Associação de Beneficiários do Roxo (ABR) faz uma avaliação muito positiva do caminho percorrido desde 1968.
07h00 - quarta, 19/09/2018
Ministro da Economia
elogia sector agrícola
O ministro da Economia defende que Portugal "não pode nunca esquecer" a agricultura em detrimento de outros sectores de actividade, nomeadamente numa altura em que as exportações agrícolas estão a crescer.
07h00 - terça, 18/09/2018
Ministro da Economia
visita Vale da Rosa
O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai visitar nesta terça-feira, 18, pelas 13h00, a Herdade Vale da Rosa, no concelho de Ferreira do Alentejo, que é a maior produtora nacional de uvas de mesa.
07h00 - segunda, 17/09/2018
Mértola recebe acção
do "Tourism Up"
Apoiar projectos de empreendedorismo na área do turismo e promover os produtos endógeno são duas das metas do programa "Tourism Up", que promove nesta segunda-feira, 17, uma oficina em Mértola.

Data: 14/09/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial