07h00 - quinta, 15/03/2018

Mulheres em igualdade
na mina de Neves-Corvo

Mulheres em igualdade na mina de Neves-Corvo

Rostos enegrecidos pelo pó, mãos feridas pelas pedras, fatos-macaco encardidos e rasgados, botas enlameadas e pesadas, olhares cansados: é esta a imagem que muitos ainda têm na cabeça quando se fala de uma mina. Um trabalho duro e perigoso onde era (quase) raro encontrar uma mulher. Era, mas já não é! Os tempos mudaram radicalmente e na mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, são muitas as mulheres que contrariam os estereótipos e labutam dia e noite ao lado dos homens. Seja no fundo ou à superfície, na lavaria ou nos laboratórios, a igualdade de género é uma expressão que ganha sentido na maior mina de Portugal.
"Nunca senti esse choque" [de uma mina ser local de homens], conta ao "CA" Graça Pereira, 49 anos e natural de Aljustrel, que trabalha em Neves-Corvo há quase três décadas. Assistente operacional no laboratório, Graça Pereira lembra que entrou na mina numa altura em que foram contratadas muitas mulheres para as mais diversas funções. É verdade que "no fundo da mina nessa altura não havia mulheres, mas havia na lavaria, havia no laboratório e havia nos escritórios. Já havia muitas mulheres aqui", observa.
Para Ana Abreu, 34 anos e natural da Covilhã, a Somincor acaba mesmo por ser "um caso excepcional" em matéria de igualdade de género em Portugal. "Eu que sou da zona das minas da Panasqueira sinto que aqui é diferente. Lá o contexto é outro e são poucas as mulheres que vão à mina", acrescenta esta técnica do Departamento de Barragens, onde trabalha há pouco mais de um ano.
Daniela Mendes é o melhor exemplo para comprovar o que sente Ana Abreu. Esta jovem de 25 anos, que nasceu em Oliveira do Hospital, é mineira polivalente e trabalha no fundo da mina, na britagem… e ao volante de uma máquina que pesa toneladas.
"Esperava ser mais difícil, mas é mesmo um hábito", conta a jovem mineira, que não poupa elogios aos colegas masculinos. "Quando entrei eles ajudaram-me em tudo. Como é que se faz, como é que não se faz… Foram impecáveis, não tenho que dizer de ninguém", afiança.
"Aqui as mentalidades são muito evoluídas e nota-se que nesta empresa há igualdade salarial. Se uma mulher ou um homem fazem a mesma função, ganham exactamente o mesmo. E isso, infelizmente, não é algo muito comum no país", destaca por seu lado Mara Dias, de 33 anos.
Natural de Colares (Sintra) e licenciada em engenharia de mina, Mara Dias integra a equipa de geo-metalurgia das lavarias e é uma das duas mulheres (juntamente com Daniela Mendes) que faz parte do grupo de intervenção da Somincor. "A recepção foi muito boa, com a maior respeito, a maior entreajuda, o maior companheirismo", revela a técnica, que diz acreditar "na igualdade de oportunidades de género, não na igualdade de género".
É isto que leva a que o Dia Internacional da Mulher, assinalado a 8 de Março, continue a ser uma data importante para Mara Dias. Pelo simbolismo, não propriamente "pelos jantares folclóricos".
"Não nos podemos esquecer que o Dia Internacional da Mulher existe porque cento e muitas mulheres foram queimadas vivas numa fábrica [nos EUA] porque fizeram uma greve para exigir trabalhar menos de 16 horas por dia e ter melhores condições salariais. Mas hoje em dia parece que o Dia da Mulher é o dia do 'vale tudo'. […] Acho que há uma grande falta de respeito por si mesmo quando vejo mulheres a comportarem-se dessa maneira", conclui.


COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - segunda, 10/12/2018
Voluntariado vale
prémio à CM Beja
O Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) atribuiu, no final da passada semana, o prémio "Boas Práticas de Voluntariado Jovem" à Câmara de Beja, em cerimónia realizada em Campo Maior.
07h00 - segunda, 10/12/2018
CM Aljustrel premiada
pela "Rota da Floresta"
A Associação Bandeira Azul da Europa (ABAE) atribuiu à Câmara de Aljustrel uma menção honrosa pela sua participação na actividade "Rota pela Floresta", prémio que será entregue numa cerimónia em Lagoa no próximo mês de Janeiro.
07h00 - domingo, 09/12/2018
Programa "365 Alentejo"
com candidaturas abertas
A Turismo do Alentejo, em parceria com a Agência Regional de Promoção Turística e o Turismo de Portugal, tem abertas até final do ano as candidaturas para a segunda edição do programa "365 Alentejo-Ribatejo", que visa a construção e promoção de um calendário anual de eventos "consistente e coerente".
13h29 - sexta, 07/12/2018
Detido por tráfico de pessoas no Baixo Alentejo
A Polícia Judiciária (PJ) deteve um homem de 40 anos por suspeitas da prática do crime de tráfico de pessoas, anunciou no final da passada semana fonte oficial desta força policial.
07h00 - sexta, 07/12/2018
"Espírito" de Natal
no distrito de Beja
O "espírito de Natal" já chegou ao Baixo Alentejo e até ao final do ano são muitas as actividades programadas pelas autarquias para assinalar a quadra festiva, proporcionar momentos de animação e apelar ao consumo no comércio tradicional local.

Data: 07/12/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial