00h00 - terça, 26/01/2016

Ramôa revela ambições
da Misericórdia de Beja

Ramôa revela ambições da Misericórdia de Beja

Criar uma unidade de cuidados médicos e renovar o serviço de apoio domiciliário são duas das metas do novo provedor da Misericórdia de Beja (SCMB).
Empresário e antigo governador civil de Beja, João Paulo Ramôa foi eleito no passado dia 19 de Janeiro, substituindo no cargo António Chícharo – que passa para a presidência da mesa da Assembleia Geral.
Ser provedor da Misericórdia de Beja "é, acima de tudo, uma responsabilidade", diz Ramôa ao "CA".
"Responsabilidade de renovar e continuar", acrescenta, não escondendo a ambição de ao longo do mandato que termina em Dezembro de 2019 "dar andamento a um programa muito ambicioso" e que aproveite ao máximo o novo quadro comunitário de apoio.
"É tal a nossa vontade que disse assumi o compromisso de, se não cumprir com o programa, não me candidatar a um segundo mandato daqui a quatro anos", reforça João Paulo Ramôa.
Entre as metas estabelecidas pelo novo provedor estão alguns projectos "de maior envergadura", nomeadamente a criação de uma unidade de cuidados médicos, em detrimento do há muito falado hospital de rectaguarda.
A ideia passa por instalar a nova infra-estrutura num terreno de três hectares que a SCMB tem no bairro dos Moinhos e não através da requalificação do antigo hospital, que se encontra no centro histórico da cidade e está classificado como monumento nacional.
"Se continuarmos a sonhar em fazer o que foi sonhado no passado, daqui a 20 anos continuamos a sonhar. E eu queria daqui a dois anos ter no terreno uma unidade de cuidados médicos a funcionar. Porque não temos tempo para sonhos", justifica.
Ao mesmo tempo, Ramôa quer avançar ao longo dos próximos quatro anos com um centro de noite, com a recuperação do interior da igreja da Misericórdia e com um novo modelo de serviço de apoio domiciliário, vocacionado para "os novos idosos".
"Na prática, queremos ir a casa das pessoas que estão muito sozinhas, conversar com elas, permitir o contacto com os netos e os filhos pelo Skype ou outras ferramentas, contar histórias, discutir um artigo, comentar um programa… É esse apoio que queremos levar, com voluntários e profissionais, às casas dos novos idosos, que têm exigências diferentes das de antigamente", explica.
João Paulo Ramôa acrescenta que a Misericórdia de Beja pretende ainda "ser complementares à oferta que existe no mercado", fazendo aquilo "que os outros não estão a fazer".
"Queremos ser complementares e não concorrenciais", diz, lembrando que a instituição "tem de responder aos casos sociais que existem". "E tudo isso exige um grande dinamismo", conclui o recém-eleito provedor.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - sexta, 19/10/2018
Governo apoia projecto do zinco da Somincor
O Governo já aprovou a minuta do contrato fiscal de investimento a celebrar entre o Estado e a Somincor, proprietária das minas de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, no âmbito do projecto da empresa para a expansão da produção de zinco, avaliado em 256 milhões de euros.
07h00 - quinta, 18/10/2018
Resialentejo aprova
orçamento de 2019
A empresa intermunicipal Resialentejo aprovou no final da passada semana, em Assembleia Geral, o seu Orçamento e Plano Plurianual de Investimentos para o próximo ano de 2019, que prevê uma despesa de 4,8 milhões de euros e uma receita de cinco milhões.
07h00 - sexta, 12/10/2018
CM Mértola com bom
desempenho financeiro
A Câmara de Mértola surge no 18º lugar no ranking global dos municípios de pequena dimensão no "Anuário Financeiro dos Municípios Portugueses 2017", elaborado pela Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas.
07h00 - sexta, 28/09/2018
Fábrica das Fortes investe
1,2 milhões para reabrir
A empresa AZPO-Azeites de Portugal já investiu cerca de 1,2 milhões de euros na sua unidade industrial de Fortes, no concelho de Ferreira do Alentejo, no sentido de reabrir a tempo da nova campanha olivícola.
07h00 - terça, 25/09/2018
ACOS faz balanço
positivo de novo serviço
A ACOS-Associação de Agricultores do Sul faz um balanço positivo do primeiro ano de funcionamento do seu novo Serviço Comercial de Ovinos, que garantiu a comercialização para fora do país de mais de nove mil animais.

Data: 12/10/2018
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial