00h00 - terça, 26/01/2016

Ramôa revela ambições
da Misericórdia de Beja

Ramôa revela ambições da Misericórdia de Beja

Criar uma unidade de cuidados médicos e renovar o serviço de apoio domiciliário são duas das metas do novo provedor da Misericórdia de Beja (SCMB).
Empresário e antigo governador civil de Beja, João Paulo Ramôa foi eleito no passado dia 19 de Janeiro, substituindo no cargo António Chícharo – que passa para a presidência da mesa da Assembleia Geral.
Ser provedor da Misericórdia de Beja "é, acima de tudo, uma responsabilidade", diz Ramôa ao "CA".
"Responsabilidade de renovar e continuar", acrescenta, não escondendo a ambição de ao longo do mandato que termina em Dezembro de 2019 "dar andamento a um programa muito ambicioso" e que aproveite ao máximo o novo quadro comunitário de apoio.
"É tal a nossa vontade que disse assumi o compromisso de, se não cumprir com o programa, não me candidatar a um segundo mandato daqui a quatro anos", reforça João Paulo Ramôa.
Entre as metas estabelecidas pelo novo provedor estão alguns projectos "de maior envergadura", nomeadamente a criação de uma unidade de cuidados médicos, em detrimento do há muito falado hospital de rectaguarda.
A ideia passa por instalar a nova infra-estrutura num terreno de três hectares que a SCMB tem no bairro dos Moinhos e não através da requalificação do antigo hospital, que se encontra no centro histórico da cidade e está classificado como monumento nacional.
"Se continuarmos a sonhar em fazer o que foi sonhado no passado, daqui a 20 anos continuamos a sonhar. E eu queria daqui a dois anos ter no terreno uma unidade de cuidados médicos a funcionar. Porque não temos tempo para sonhos", justifica.
Ao mesmo tempo, Ramôa quer avançar ao longo dos próximos quatro anos com um centro de noite, com a recuperação do interior da igreja da Misericórdia e com um novo modelo de serviço de apoio domiciliário, vocacionado para "os novos idosos".
"Na prática, queremos ir a casa das pessoas que estão muito sozinhas, conversar com elas, permitir o contacto com os netos e os filhos pelo Skype ou outras ferramentas, contar histórias, discutir um artigo, comentar um programa… É esse apoio que queremos levar, com voluntários e profissionais, às casas dos novos idosos, que têm exigências diferentes das de antigamente", explica.
João Paulo Ramôa acrescenta que a Misericórdia de Beja pretende ainda "ser complementares à oferta que existe no mercado", fazendo aquilo "que os outros não estão a fazer".
"Queremos ser complementares e não concorrenciais", diz, lembrando que a instituição "tem de responder aos casos sociais que existem". "E tudo isso exige um grande dinamismo", conclui o recém-eleito provedor.


Notícias Relacionadas

COMENTÁRIOS

* O endereço de email não será publicado
07h00 - quinta, 21/09/2017
Franceses instalam
fábrica em Messejana
A empresa francesa Moustikit, que produz redes mosquiteiras para janelas e portas, vai avançar com um projecto industrial nas antigas instalações de uma fábrica de mobiliário na vila de Messejana, concelho de Aljustrel.
07h00 - quarta, 20/09/2017
ACOS cria serviço
para venda de ovinos
Ganhar escala, garantir a segurança comercial e a continuidade da ovinicultura, bem como contribuir para as exportações, são os principais objectivos do novo Serviço de Comercialização de Ovinos da ACOS.
07h00 - terça, 19/09/2017
Greve vai avançar nas
minas de Neves-Corvo
Está decidido: os trabalhadores das minas de Neves-Corvo vão fazer uma greve de quatro dias, entre as 6h00 de 3 de Outubro e as 6h00 de 7 de Outubro, para reivindicar "o fim do regime de laboração contínua no fundo da mina" e pela "humanização dos horários de trabalho".
00h00 - domingo, 17/09/2017
Trabalhadores de Neves-Corvo reúnem em plenário
Os trabalhadores da mina de Neves-Corvo, no concelho de Castro Verde, reúnem neste domingo, 17 de Setembro, em plenário, depois do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) e a Somincor não terem ainda chegado a acordo sobre os novos horários a aplicar a quem trabalha no fundo da mina.
00h00 - sexta, 15/09/2017
Greve "à vista"
nas minas
de Neves-Corvo
Greve à vista em Neves-Corvo! A administração da Somincor e o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Mineira (STIM) voltaram a reunir esta quarta-feira, 13, mas continuam sem acordo sobre os novos horários de trabalho a implementar na mina do concelho de Castro Verde.

Data: 15/09/2017
Edição n.º:
Contactos - Publicidade - Estatuto Editorial